# Notícias Gerais

29 de Dezembro de 2016 às 10:17

Stévia, adoçante natural, virou centro de uma batalha entre indígenas e multinacionais

Os índios guaranis do Paraguai e do Brasil a chamam de "Ka'a He'e".  A estévia é utilizada há séculos por comunidades indígenas no Paraguai

Refrigerantes com estéviaImage copyrightAFP - Grandes multinacionais estão começando a usar a estévia como adoçante

Os índios guaranis do Paraguai e do Brasil a chamam de "Ka'a He'e". No mercado, porém, ela é a estévia, uma planta que virou alvo de disputa de propriedade intelectual entre comunidades ancestrais dos dois países e poderosas empresas multinacionais.

A estévia entrou no radar por suas características de adoçante - grandes empresas de refrigerantes e outras multinacionais de alimentos a veem como uma alternativa potencialmente mais saudável que o açúcar.

Mas líderes guaranis das comunidades Paî Tavyterâ e Kaiowa, com respaldo de organizações não governamentais europeias, afirmam que os indígenas não estão sendo recompensados de forma apropriada pelo descobrimento das funções adoçantes da planta e exigem que os direitos de propriedade intelectual sejam reconhecidos.

"Em novembro de 2015, publicamos um relatório que denunciava o lado obscuro do 'boom' econômico da estévia", disse à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, Laurent Gaberell, responsável por agricultura, biodiversidade e propriedade intelectual na Public Eye, uma das entidades europeias que encabeçam a campanha.

"Os guaranis, que são os que descobriram as características de adoçante da estévia, não estão recebendo sua parte dos benefícios da exploração econômica de seu conhecimento, tal como exige a Convenção sobre Diversidade Biológica e o Protocolo de Nagoya", afirmou Gaberell.

O grupo de organizações não governamentais fez essa e outras reivindicações para as comunidades guaranis.

Um ano depois do relatório, elas começam a ver resultados da campanha, segundo Gaberell.

"Contatamos várias empresas que utilizam ou produzem derivados de estévia para perguntar se estariam dispostoa a cumprir com suas obrigações e negociar com os guaranis um acordo de distribuição dos benefícios", disse.

Coca-Cola adoçada com estéviaImage copyrightAFP - Alguns especialistas afirmam que a estévia é mais saudável que o açúcar

"E já temos várias empresas que se declararam dispostas a negociar com eles", completou.

Um relatório recente do grupo apresenta os avanços da campanha e pontua que a multinacional suíça Nestlé "apoia o princípio de participação justa e equitativa na distribuição dos benefícios derivados da utilização do material genético.

egundo o mesmo documento, a empresa ainda afirma que está "avaliando a possibilidade de se envolver mais no tema."

Outras empresas suíças de alimentos, como Goba e Bernrain, também tiveram uma recepção positiva quanto à reivindicação, de acordo com o relatório.

Resposta

Mas a campanha afirma não ter obtido respostas parecidas de outras grandes multinacionais, como a Coca-Cola e a Pepsi.

"Eles não querem saber nada a respeito disso", disse Gaberell à BBC.

Produção de estévia no ParaguaiImage copyrightAFP - A estévia é cultivada no Paraguai e no Brasil, entre outras partes do mundo

A Coca-Cola se manifestou por meio de nota.

"Nós, provedores da estévia, somos membros do Conselho Internacional de Estévia, que está envolvido com camponeses paraguaios para promover um ambiente para o cultivo comercial da planta com maior retorno para eles. Como uma empresa, nós acreditamos em gerar oportunidades econômicas para todos os associados de nossa rede de fornecimento e buscamos obter nossos ingredientes agrícolas de uma maneira mais sustentável."

A BBC Mundo também procurou a Pepsi, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

Representante da Public Eye, Gaberell afirma que o grupo de ONGs está ajudando as comunidades guaranis a se organizarem para estabelecer quais serão as estratégias e exigências de negociação para as conversas com as multinacionais.

Fábrica no ParaguaiImage copyrightAFP - O  mercado de refrigerantes e bebidas doces é multimilionário

Até 60 mil beneficiados

Ele explica que o processo de negociação entre as multinacionais e os indígenas será longo.

"Levará pelo menos três anos", avalia, para que as primeiras conversas gerem os eventuais benefícios concretos e comecem a chegar às comunidades.

Ainda de acordo com o representante da Public Eye, nem o governo brasileiro, nem o paraguaio, estão envolvidos na negociação até o momento.

As comunidades de guaranis que podem obter algum benefício na negociação têm uma população de cerca de 46 mil pessoas do lado brasileiro e cerca de 15 mil do lado paraguaio.

Fonte BBC Brasil

Produção de estéviaImage copyrightGETTY IMAGES -  A estévia era utilizada há séculos por comunidades indígenas no Paraguai

29 de Dezembro de 2016 às 09:45

Foto de amigas, com uma delas faltando as pernas, provoca muita curiosidade e debates

O mistério ainda não foi divulgado

Uma foto de um grupo de amigas sentadas em um sofá, publicada no site Reddit (veja aqui), está intrigando os internautas.

Na imagem, publicada pelo usuário jr0d7771, aparecem cinco moças sentadas, mas apenas quatro pares de pernas. A moça no centro do sofá parece não ter pernas.

28 de Dezembro de 2016 às 10:42

Técnico Tite aparece na lista dos 10 melhores treinadores de 2016

Invicto pela seleção brasileira, comandante é o único representante da sul-americano no ranking


A Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol (IFFHS) anunciou há pouco a lista dos dez melhores técnicos entre seleção e clubes pelo mundo. Apenas o treinador da seleção brasileira, Tite, aparece representando o nosso país. Na primeira colocação, o português Fernando Santos é melhor comandante entre time nacionais e Diego Simeone lidera entre os clubes.

Invicto desde que assumiu a seleção brasileira, em 20 de julho, Tite venceu seis dos seis jogos à frente do time canarinho. Em oitavo lugar, o treinador somou três pontos em 2016, mesma pontuação de Marc Wilmots, da Bélgica. Técnico da seleção portuguesa desde 2014, Fernando Santos, campeão da Eurocopa 2016, somou 199 pontos no ranking e conquistou o prêmio de melhor técnico de seleção. No top 10, Lars Lagerbeck (Islândia), Joachim Low (Alemanha), Chris Coleman (País de Gales), Didier Deshamps (França), Antonio Conte (Itália), Ante Cacic (Croácia), Bernd Storck (Hungria), Ange Postecoglu (Austrália) e Adam Nawalka (Polônia) fecham a lista.

Apesar do título da Champions League e do Mundial de Clubes, Zinedine Zidane não superou seu adversário e rival Diego Simeone. O treinador do Real Madrid somou 107 pontos, enquanto seu oponente fez 113 pontos. Campeão colombiano, da supercopa da Colômbia e da Libertadores, Reinaldo Rueda, do Atlético Nacional não apareceu no top 10, que foi composto por: Diego Simeone (Atlético de Madri), Zinedine Zidane (Real Madrid), Claudio Ranieri (Leicester), Pep Guardiola (Bayern de Munique/Manchester City), Unai Emery (Sevilla/PSG), Luis Enrique (Barcelona), Jurgen Klopp (Liverpool), Mauricio Pochettino (Tottenham), Massimiliano Allegri (Juventus) e Pitso Mosimane (Mamelodi Sundowns).

Na disputa do melhor treinador da FIFA, Fernando Santos e Diego Simeone disputarão o título contra Chris Coleman (País de Gales), Claudio Ranieri (Leicester City), Didier Deschamps (França), Jürgen Klopp (Liverpool), Luis Enrique (Barcelona), Mauricio Pochettino (Tottenham), Pep Guardola (Manchester City) e Zinédine Zidane (Real Madrid).

Fonte:R7

28 de Dezembro de 2016 às 09:58

Doze Estados projetam fechar o próximo ano com rombo nas contas

Rombo das unidades da federação, somado, deverá chegar a R$ 32,5 bilhões

Mesmo após um socorro bilionário do governo federal, com o alívio no pagamento da dívida com a União, a crise nos Estados deve ter um novo capítulo em 2017. Doze governos estaduais projetam um déficit primário em seus orçamentos no ano que vem, segundo levantamento feito pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, e outros admitem a possibilidade de frustração de receitas, o que levaria a uma lista maior de resultados negativos.

No total de 26 Estados (apenas o Amapá não informou suas estimativas), entre superávits e déficits projetados para o ano que vem, o rombo acumulado chega a R$ 32,5 bilhões.

Após verdadeiras peregrinações de governadores e secretários de Fazenda por gabinetes em Brasília, os Estados conseguiram que a União acenasse com a renegociação da dívida e com a divisão dos recursos obtidos com o programa da repatriação, que injetou R$ 11 bilhões nos cofres estaduais este ano e deve ter nova edição em 2017. Tudo isso garantiu um alívio momentâneo, mas ficou longe de resolver o problema.

A principal aposta dos governadores era de que a economia reagisse no ano que vem, o que teria efeito positivo sobre a arrecadação. Mas as expectativas em relação ao crescimento em 2017 não param de cair, jogando uma pá de cal nos planos de recuperação no curto prazo. Enquanto isso, os compromissos do dia a dia seguem se acumulando, e não é difícil encontrar casos de Estados que vão virar o ano sem ter pago o 13.º salário a seus servidores.

Um deles é o Rio de Janeiro, que enfrenta uma das situações mais delicadas e foi o primeiro a decretar calamidade financeira. Em 2017, o Rio deve ter o maior rombo entre os Estados: R$ 19,3 bilhões, segundo estimativas do governo fluminense. Os gastos com Previdência explicam boa parte do déficit: hoje o Estado tem uma folha de inativos praticamente igual à de servidores na ativa. Para tentar equilibrar as contas, o governador Luiz Fernando Pezão encaminhou um duro pacote de medidas de ajuste, mas as propostas enfrentam forte resistência de políticos e servidores.

No grupo dos que decretaram calamidade financeira, Minas Gerais prevê um resultado negativo em R$ 8,06 bilhões no ano que vem, após um rombo na mesma magnitude este ano. Há ainda Estados que usam da “criatividade” na formulação das contas, como o Rio Grande do Sul, cuja projeção oficial é de um superávit de R$ 1,2 bilhão. Para isso, o Estado incorporou R$ 2,9 bilhões em receitas extraordinárias “para cobrir déficit”, que o próprio governo reconhece que não irão se realizar.

 “Se considerarmos o que estamos arrastando de despesa de 2016 para 2017 e tudo o que vai faltar de receita, o déficit vai ultrapassar R$ 5 bilhões”, diz o secretário de Fazenda gaúcho, Giovani Feltes.

No Paraná, o déficit previsto é de R$ 4,1 bilhões, mas o governo diz que o dado efetivo será próximo de zero - mas para isso, conta com receitas incertas, de operações ainda em estruturação, como securitização de recebíveis (cujo projeto de lei federal ainda está em tramitação) e empréstimos que ainda precisam do aval da União. “É uma questão contábil, algumas receitas não entram como receita primária”, minimiza o secretário de Fazenda do Paraná, Mauro Ricardo Costa.

Mesmo Estados que projetam superávit primário no ano que vem já avaliam revisar essas projeções. Isso porque a expectativa de crescimento do PIB brasileiro em 2017 está cada vez menor - o mercado já prevê alta de 0,5%, metade da estimativa oficial do governo (1%).

Fonte: Estadão

28 de Dezembro de 2016 às 09:41

Evangelho do Dia

Herodes mandou matar todos os meninos de Belém.

Um anjo do Senhor apareceu em sonhos a José e disse: "Levanta-te, toma o menino e sua mãe e foge para o Egito; fica lá até que eu te avise, porque Herodes vai procurar o menino para o matar”. José levantou-se durante a noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egito. [...] Vendo, então, Herodes que tinha sido enganado pelos magos, ficou muito irritado e mandou massacrar em Belém e nos seus arredores todos os meninos de dois anos para baixo [...]

Cumpriu-se, então, o que foi dito pelo profeta Jeremias: Em Ramá se ouviu

uma voz, choro e grandes lamentos: é Raquel a chorar seus filhos; não quer

consolação, porque já não existem (Jr 31,15)!
 

Evangelho de hoje: Mt 2,13-18

27 de Dezembro de 2016 às 11:25

Polícia Federal faz buscas em gráficas utilizadas pela chapa Dilma/Temer

A investigação policial se dá no âmbito do Tribunal Superior Eleitoral, que investiga supostos abuso de poder político e econômico na campanha petista-peemedebista na última eleição presidencial.

A Polícia Federal cumpre nesta terça-feira (27) ação para verificar se gráficas utilizadas na campanha presidencial vencedora da chapa Dilma Rousseff/Michel Temer em 2014 tinham de fato capacidade operacional para prestar os serviços para os quais foram contratadas.
São alvos da PF a Red Seg Gráfica, a Focal Confecção e Comunicação Visual e a Gráfica VTPB, as mesmas três que tiveram o sigilo bancário quebrado em outubro deste ano. Foram encontradas à época problemas na emissão de notas fiscais, comprovação de receitas obtidas pelas gráficas e a subcontratação de outras empresas para realizar o serviço. O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) também recebe visitas da Polícia Federal.

A investigação policial se dá no âmbito do Tribunal Superior Eleitoral, que investiga supostos abuso de poder político e econômico na campanha petista-peemedebista na última eleição presidencial. A ação foi proposta pelo PSDB logo após a vitória de Dilma, mas hoje o partido é o principal aliado do governo Temer. O ministro do TSE Herman Benjamin, relator do processo de cassação, ordenou as ações da PF desta terça.

No último dia 16 de dezembro, o Ministério Público Eleitoral disse ter encontrado nas informações colhidas com a quebra do sigilo bancário "fortes traços de fraude e desvio de recursos que foram repassados às empresas contratadas pelo Comitê Eleitoral". A força-tarefa do TSE que trabalha no caso identificou no relatório da PF entregue no final de novembro "uma linha de investigação que sinaliza o desvio de finalidade dos gastos eleitorais para outros fins que não os de campanha".

Caso o TSE casse a chapa Dilma/Temer em 2017, a nova eleição presidencial deve ser indireta, por meio de escolha do Congresso Nacional, já que mais da metade do mandato terá se passado, conforme prevê a Constituição Federal.

Nas últimas manifestações sobre o processo em curso, Dilma Rousseff tem negado irregularidades enquanto a defesa do presidente Michel Temer alega que as contas de sua campanha, como candidato a vice-presidente, eram separadas das de Dilma.

Fonte: JP Notícias

27 de Dezembro de 2016 às 10:00

Evangelho do Dia

O outro discípulo correu mais depressa que Pedro, e chegou primeiro ao túmulo.

Correu e foi dizer a Simão Pedro e ao outro discípulo a quem Jesus amava: "Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram!”. Saiu então Pedro com aquele outro discípulo, e foram ao sepulcro. Corriam juntos, mas aquele outro discípulo correu mais depressa do que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro. Inclinou-se e viu ali os panos no chão, mas não entrou. [...] Viu também o sudário que estivera sobre a cabeça de Jesus. Não estava, porém, com os panos, mas enrolado num lugar à parte. Então, entrou também o discípulo que havia chegado primeiro ao sepulcro. Viu e creu.

 

Evangelho de hoje: Jo 20,2-8

27 de Dezembro de 2016 às 11:04

Funerária São Pedro e Príncipe da Paz informam: Faleceu em Patos de Minas o Sr. Pedro da Fonseca Gonçalves aos 51 anos.

Local do Sepultamento: Cemitério de Aragão.

Faleceu em Patos de Minas, dia 26/12/2016 o Sr. Pedro da Fonseca Gonçalves aos 51 anos.

Deixa a esposa, Zelma, a filha Lorena, os irmãos, Anísio, Neuza, Valtuir, Cleusa, e Eleuza, também tios e outros familiares.

Velório Príncipe da Paz, Rua Ouro Preto, 798 Bairro Várzea.

Local do Sepultamento: Cemitério de Aragão.

Data do sepultamento: 26/12/2016

Horário do sepultamento: 17h00m

27 de Dezembro de 2016 às 09:49

Funerária São Pedro e Principe da Paz informam: Faleceu em Patos de Minas a Sra.Elza Maria de Castro aos 66 anos.

Local do Sepultamento: Cemitério Santa Cruz em Patos de Minas.

Faleceu em Patos de Minas, dia 26/12/2016  a Sra.Elza Maria de Castro aos 66 anos.

Deixa os irmãos, Maria das Graças, Teófilo Joaquim, Maria Aparecida, os sobrinhos e outros familiares.

Velório Príncipe da Paz, Rua Ouro Preto, 798 Bairro Várzea.

Local do sepultamento: Cemitério Santa Cruz

Data do sepultamento: 26/12/2016

Horário do sepultamento: 18h00m