# Notícias Gerais

27 de Junho de 2017 às 08:39

Evangelho do Dia

Tudo quanto quereis que os outros vos façam, fazei também a eles.

"Não lanceis aos cães as coisas santas, não atireis aos porcos as vossas pérolas, para que não as calquem com os seus pés, e, voltando-se contra vós, vos despedacem. Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles. Esta é a Lei e os profetas. Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição e numerosos são os que por aí entram. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho da vida e raros são os que o encontram”.

Evangelho de hoje: Mt 7,6.12-14

27 de Junho de 2017 às 08:59

Simone comenta ataque sofrido pela irmã Simaria em show

'Esse cara não tinha intenção de dar amor e sim de machucar', comentou a cantora nas redes sociais



Depois da confusão em um show em Amargosa, na Bahia, Simone, da dupla com Simaria, se pronunciou. Em vídeos publicados no Instagram Stories, ela explica o que acontece e diz que o instinto de irmã falou mais alto.

— No momento que a gente estava cantando, vocês já viram o vídeo, subiu um cara muito maluco e agarrou a Simaria. No que ele agarrou, derrubou ela no chão e começou a sufocar ela. E quando eu vi aquela situação saiu meu lado de artista e entrou o lado de irmã. Se for preciso, dou a vida pela minha irmã. No momento que eu vi aquilo, fiquei desesperada e aí fui para cima mesmo, não dá para continuar sendo arista e deixar ver alguém da sua família sendo machucado ou apanhar.

Depois de se explicar, Simone ainda agradeceu o carinho dos fãs e pelas mensagens de apoio que recebeu.

— Espero que vocês me entendam, quero agradecer ao carinho dos fãs de Amargosa, agradecer aos fãs de todo Brasil, às mensagens. Os fãs que já chegaram perto de mim sabem a pessoa que eu sou, o quão carinhosa eu sou, mas no momento que você vê alguém que você ama sendo machucado, não tem como você ficar tranquilo.

Ela também postou uma foto com a irmã no Instagram, e se declarou a ela na legenda. “Te amo”, escreveu a cantora.

Veja o vídeo: Fã invade palco, derruba Simaria e leva soco de Simone em show na Bahia

Fonte: R7 Entretenimento

27 de Junho de 2017 às 08:25

Saiba quais são as 6 regiões de Minas Gerais onde a violência aumentou

Enquanto média do estado registra queda de 6,1% na criminalidade violenta, bolsões em diferentes áreas apresentam tendência de alta em crimes como roubos e homicídios

Na contramão da queda de 6,1% em média no índice de crimes violentos anunciada pelo governo de Minas para o período de janeiro a maio deste ano, em comparação com o mesmo período de 2016, os indicadores de violência se mantêm alta em seis das 19 regiões integradas de Segurança Pública (Risps) do estado. De olho no mapa, chama a atenção o quadro da Risp de Uberlândia, no Triângulo Mineiro, que detém a maior alta no conjunto dos crimes de homicídio e tentativa, estupro e tentativa, roubo, extorsão mediante sequestro e sequestro e cárcere privado. O conjunto desses delitos nos municípios da área saltou de 2.189 de janeiro a maio de 2016 para 3.221 neste ano, aumento de 47,1%, com destaque para o roubo, que representa 92,3% do total de ocorrências no ano (2.973 dos 3.221 casos). O mapeamento da criminalidade violenta é analisado pelas polícias Militar e Civil, que afirmam se empenhar para reduzir as estatísticas.

Além de Uberlândia, a lista de seis regiões com índices de violência em alta inclui – por ordem de aumento nas taxas – Barbacena, na Região Central (aumento de 19% nos crimes); Governador Valadares, no Vale do Rio Doce (+9,4%); Divinópolis, no Centro-oeste ( 7,7%), Uberaba, no Triângulo Mineiro, ( 3,6%); e Ipatinga, no Vale do Aço ( 1%).

Integrante do Fórum Nacional de Segurança Pública, o sociólogo Robson Sávio destaca fatores que podem interferir no aumento da criminalidade nas regiões que destoam da média de redução da violência no estado. “Pode ter havido influência de vários fatores, como incremento no tráfico de drogas, interferência do crime em áreas de divisas do estado, o fato de as cidades estarem em uma região de tráfico de drogas, armas e cargas, entre outros”, afirma o especialista.

Ele destaca, no entanto, que um estado tão grande como Minas Gerais vai, normalmente, apresentar diferentes perfis de criminalidade, a depender das especificidades de cada local. E chamou a atenção para o aspecto da sazonalidade criminal. “As taxas aumentam e diminuem a depender de uma série de variáveis que não são permanentes. Além disso, um período de cinco meses é pequeno tanto para dizer que houve redução no estado, quanto aumento em diferentes partes do interior. A comparação precisa de intervalos maiores, de pelo menos um ano”, disse. Robson Sávio ainda ressalta: “Não adianta somente investir em repressão. O combate à criminalidade depende de políticas de prevenção, do trabalho investigativo, da articulação entre as polícias, entre outras ações. Somente colocar polícia na rua não resolve”.

REAÇÃO 

De acordo com o comandante-geral da PM, Coronel Helbert Figueiró, a alta nos números nessas seis regiões de Minas já foi identificada como um processo de interiorização do crime e, diante disso, medidas de combate têm sido adotadas. Segundo ele, há falhas na infraestrutura e no efetivo de militares, que vêm sendo corrigidas com aumento do número de policiais nos batalhões do interior, especialmente nos destacamentos. No caso de Uberlândia, por exemplo, houve aumento no número de militares, bem como de viaturas, que já foram enviadas à região, sustenta.

O comandante deu detalhes do plano para reduzir as estatísticas da criminalidade. Por meio do Programa Mais Segurança, 1.800 soldados formados passaram a compor o quadro da PM, o que elevou a tropa para 41 mil agentes ativos e cerca de 2 mil policiais da reserva, que foram reconvocados ao trabalho. Também houve renovação da frota, com 1.425 viaturas entregues em todo o estado. Em BH, a PM planeja para agosto o reforço policial, com a implantação de 86 bases móveis de policiamento, com consequente fechamento ou recolhimento para o interior dos batalhões de 11 das 24 companhias da corporação. Outra estratégia é o uso de tablets nas viaturas e celulares com internet nas motos, prevista ainda para este ano, com o objetivo de facilitar a checagem de pessoas e veículos abordados em operações policiais nas ruas. 

A criação de barreiras eletrônicas em 88 pontos nas divisas de Minas é outra estratégia dentro do programa. Com a medida, serão instalados câmeras e scanners para monitorar a movimentação de veículos e pessoas envolvidos em crimes nessas estradas. O uso dos equipamentos tecnológicos vai permitir identificar e coibir práticas como tráfico de drogas, roubo de cargas, trânsito de veículos roubados e furtados, transporte de mercadorias ilegais, entre outros delitos.


INVESTIGAÇÃO 

Por meio de nota, a Polícia Civil de Minas Gerais informou que “não mede esforços para apurar e combater os crimes violentos em todo o estado”. Segundo a corporação, para essa finalidade foram designados mais de mil novos investigadores para todas as delegacias do estado e está prorrogado o concurso público para a contratação de mais servidores para a função, possibilitando a convocação dos excedentes. 

Segundo nota da Civil, estão sendo feitas adequações para melhorar a estrutura em toda a instituição e garantir uma melhor qualidade de atendimento à população.

Foram realizadas neste ano nas cidades citadas, segundo a Polícia Civil, diversas operações para combater crimes violentos. Em Uberlândia, por exemplo, foi preso Antônio da Silva Aparecido, motorista de transporte particular por aplicativo que estuprava vítimas que entravam em seu carro. Nas demais cidades relacionadas por aumento dos índices de crime violento, a corporação informou também manter investigações e prisões para coibir a recorrência da prática de delitos.

Fonte: Estado de Minas

27 de Junho de 2017 às 08:16

Planalto arma ofensiva para evitar que Câmara aceite ação contra Temer

Janot, enviou ao Supremo pedido de abertura de ação penal contra Temer no caso das delações do empresário Joesley Batista, do grupo JBS.


A esperada denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva provocou uma reunião de emergência no Palácio do Planalto. Tão logo a acusação se confirmou, Temer chamou para o gabinete a advogada-geral da União, Grace Mendonça, além de ministros mais próximos, os assessores de comunicação e o porta-voz, Alexandre Parola. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou criminalmente Michel Temer por corrupção passiva no caso JBS e atribui crime ao presidente a partir do inquérito da Operação Patmos — investigação desencadeada com base nas delações dos executivos do grupo J&F, que controla as empresas dos irmãos Joesley e Wesley Batista.

Ao longo do dia, o presidente demonstrou disposição de partir para o enfrentamento. Pela manhã, durante cerimônia de sanção da lei que legaliza a diferenciação de preços entre meios de pagamento — à vista ou a crédito —, o peemedebista deu ênfase às pretensões de permanecer no cargo. “Não me canso de falar que o Brasil está nos trilhos e na rota da superação. Portanto, meus amigos, ninguém duvide que nossa agenda de modernização é a mais ambiciosa em muito tempo. Tem sido implementada com tenacidade. Não há plano B. Há que seguir adiante. Portanto, nada nos destruirá. Nem a mim nem a nossos ministros”, declarou.

Nos bastidores, o governo tenta se defender das denúncias do ponto de vista político e jurídico. Como o processo contra ele só pode ser aberto após autorização de dois terços dos deputados, o presidente tenta afagar a base aliada e os partidos que o apoiam. Já acelerou a liberação de R$ 1 bilhão em emendas parlamentares, além de sinalizar com um Refis para pagamentos de dívidas, desburocratização de linhas de financiamento do BNDES para governadores e prefeitos, além de renegociação de débitos de estados e municípios.

A estratégia adotada pelo procurador Rodrigo Janot de fatiar as denúncias contra o presidente, para dificultar a ação do governo junto à base, irritou o Planalto. “Isso só mostra que as denúncias são frágeis e que o procurador-geral está agindo politicamente”, reclamou um interlocutor do presidente. Temer também demonstrou contrariedade com outro gesto de Janot, desta vez ao Congresso.

O procurador-geral sinaliza que poderá estabelecer uma diferenciação de punição, no âmbito das investigações da Lava-Jato, entre os políticos que receberam propinas e aqueles que praticaram caixa dois. Para Temer, isso seria uma tentativa de “comprar a simpatia dos parlamentares” e pressioná-los a favor da abertura do processo contra o presidente.

Ainda assim, os aliados do presidente tentam manter o discurso otimista. A defesa do peemedebista vai mostrar que ele não praticou os crimes dos quais é acusado. Lembraram que a ação do agora ex-deputado Rodrigo Rocha Loures de pegar o dinheiro de propina com os representantes da J&F foi realizada quando ele era deputado federal e, não mais, assessor especial da Presidência. “Além disso, o próprio advogado de Loures disse que seu cliente agiu de maneira pessoal”, declarou um aliado.

Em relação às demais acusações contra o presidente, auxiliares do governo lembraram que não há como acusar o Executivo de corrupção porque a J&F, que fez as denúncias, não levou qualquer vantagem na atual gestão, diferentemente do que aconteceu nos anos de administração petista. No caso da obstrução de Justiça, os aliados do presidente afirmam que, além do diálogo com Joesley não ser explícito, tanto o doleiro Lúcio Funaro quanto o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha negaram qualquer tentativa de Temer de comprar o silêncio deles.

Fonte: Estado de Minas

27 de Junho de 2017 às 07:56

Evento na Canção Nova marca os 50 anos da Renovação Carismática Católica

Confira os destaques da Coluna da Fé

Para celebrar seu Jubileu de Ouro, a Renovação Carismática Católica (RCC) realiza de 28 de junho a 2 de julho de 2017 um grande encontro com os pioneiros do movimento. O evento começa nesta quarta-feira na Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP), e se encerra no domingo no Santuário Nacional de Aparecida (SP). A primeira parte do encontro acontecerá no Centro de Evangelização, com necessidade de inscrição, que poderá ser feita na chegada ao local.

A abertura será na quarta-feira (28), com a missa às 20h, presidida pelo bispo de Valença (RJ), Dom Nelson Francelino Ferreira. Todos os dias, as atividades começam a partir das 8h. Estão programados momentos de adoração ao Santíssimo Sacramento, grupos de oração, e pregações com nomes importantes da RCC que fizeram parte dos 50 anos de história do Movimento.

Nesta quinta-feira (29), às 10h30, serão homenageados os pioneiros da Renovação no Brasil, os padres jesuítas Haroldo Hahn e Eduardo Dougherty e o fundador da Comunidade Canção Nova, monsenhor Jonas Abib.

Na sexta-feira (30), às 8h20, padre Marcelo Rossi conduzirá o momento de adoração. A parte da manhã contará ainda com a presença do padre colombiano, Diego Jaramillo, um dos pioneiros do movimento na América Latina. À tarde, às 16h, missa presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém (PA), Dom Alberto Taveira Corrêa

No sábado (01), às 9h15, Patti Gallagher Mansfield, uma dos 25 estudantes que participaram em 1967 do retiro espiritual na Universidade Duquesne, nos EUA, quando nasceu a RCC, dará o seu testemunho.

Procissão

Celebrando também os 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, a programação seguirá no sábado à noite em Aparecida (SP), onde haverá uma procissão luminosa da Basílica Velha até a Catedral Basílica, às 20h30, e logo após, a Festa do Jubileu, que contará com muita música e apresentações artísticas. O encerramento será no domingo (2/7), no Santuário de Aparecida, com missa, às 10h, presidida por dom Orlando Brandes, arcebispo de Aparecida.

Também estarão presentes no evento: a presidente do Conselho Católico Carismático Latino Americano, Maria Eugênia de Gôngora (Sheny); Michelle Moran, que foi presidente do Serviço Internacional da Renovação Carismática Católica (ICCRS) durante 10 anos; a presidente da RCC Brasil, Kátia Roldi Zavaris; o presidente da Fraternidade Católica no Brasil, Aloísio Nóbrega; além de fundadores e moderadores de Novas Comunidades no Brasil.

Renovação Carismática Católica

A Renovação Carismática Católica (RCC) teve origem há 50 anos, em um retiro espiritual, que reuniu cerca de 25 estudantes na Universidade Duquesne, em Pittsburgh, na Pensilvânia, nos Estados Unidos da América. Inspirado na passagem dos Atos dos Apóstolos (2,1-4), o grupo se reuniu para fazer a experiência de Pentecostes.

Nos anos de 1980 e 1990, a RCC ganhou força no Brasil. A missão da RCC é evangelizar com renovado ardor missionário, a partir da experiência do Batismo no Espírito Santo, para fazer discípulos de Nosso Senhor Jesus Cristo.

?Fonte: Gazeta Online foto: Arquivo POL

26 de Junho de 2017 às 15:11

Veja o vídeo: Fã invade palco, derruba Simaria e leva soco de Simone em show na Bahia

A invasão aconteceu no momento em que elas cantavam o hit "Regime Fechado".



 


O show da dupla sertaneja Simone & Simaria em Amargosa, na Bahia, na noite deste domingo, foi interrompido depois que um homem subiu no palco e derrubou Simaria. Ao perceber a irmã em apuros, Simone não hesitou antes de dar um soco no "invasor", que foi imediatamente controlado por seguranças e levado para fora do palco.

Imagens que circulam pela internet mostram o susto. O vídeo abaixo, gravado da plateia, mostra que o homem, de camisa branca, entra pelo lado esquerdo do palco e agarra Simaria, mas é logo contido por seguranças (para ver, avance o cronômetro para 1min20s).

A invasão aconteceu no momento em que elas cantavam o hit "Regime Fechado", um dos preferidos dos fãs da dupla. Depois de ajudar a irmã, Simone parou o show e, quando os seguranças removeram o suposto fã, ela se dirigiu ao público:

"Vocês vão me perdoar, mas na hora que eu vi o cara derrubar a minha irmã no chão eu meti a porrada mesmo. Quem tem irmão sabe, eu dou minha vida pela minha irmã e, em uma situação dessa, meu instinto de irmã falou mais alto", explicou a cantora, ao ressaltar que o homem ainda "deu uma unhada" em seu braço.
 

O show recomeçou depois de três minutos de conversa com a plateia. A cantora alertou que poderia ter sido pior, ter quebrado o braço ou a perna da parceira. Alvo do suposto fã, Simaria relatou que estava "tremendo" e que havia se machucado "de verdade".

"Ralou meu joelho mesmo, me machuquei de verdade. Mas isso vai servir de lição pra um monte gente. Não precisa fazer isso (...) É a mesma coisa de jogar celular no palco. Já levei celular na cara. Não façam isso, porque machuca mesmo, é falta de respeito. Na hora que der, vocês vão ter um abraço nosso, com certeza. A gente é de vocês", destacou Simaria.

A assessoria de imprensa da dupla informou que as duas não vão se manifestar sobre o susto. Assim que o vídeo viralizou, Simaria virou um dos assuntos mais comentados no Twitter. Fãs elogiaram a iniciativa de defesa de Simone, lamentaram que a irmã tenha se machucado e criticaram o homem que invadiu o palco e tocou na cantora sem consentimento e forma agressiva.

Fonte: Extra

 

26 de Junho de 2017 às 09:20

Evangelho do Dia

Tira primeiro a trave do teu próprio olho.

"Não julgueis, e não sereis julgados. Porque do mesmo modo que julgardes, sereis também vós julgados e, com a medida com que tiverdes medido, também vós sereis medidos. Por que olhas a palha que está no olho do teu irmão e não vês a trave que está no teu? Como ousas dizer a teu irmão: Deixa-me tirar a palha do teu olho, quando tens uma trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave de teu olho e assim verás para tirar a palha do olho do teu irmão”.

Evangelho de hoje: Mt 7,1-5

26 de Junho de 2017 às 11:18

Avião com 500 quilos de cocaína é interceptado pela FAB em Goiás

A aeronave foi removida para o quartel da Polícia Militar de Goiás em Jussara. A droga apreendida será encaminhada para a Polícia Federal em Goiânia

Um avião bimotor com cerca de 500 quilos de cocaína foi interceptado no domingo, (25) no interior de Goiás, por um avião A-29 Super Tucano da Força Aérea Brasileira (FAB). A ação faz parte da Operação Ostium para coibir ilícitos transfronteiriços, na qual atuam em conjunto a FAB, a Polícia Federal e órgãos de segurança pública.

Segundo nota divulgada pela Aeronáutica, o avião decolou da Fazenda Itamarati Norte, no município de Campo Novo do Parecis (MT) com destino a Santo Antonio Leverger (MT). O piloto da FAB comandou a mudança de rota e o pouso obrigatório no aeródromo de Aragarças (GO). Inicialmente, a aeronave interceptada seguiu as instruções da defesa aérea, mas ao invés de pousar no aeródromo indicado, arremeteu. O piloto da FAB novamente comandou a mudança de rota e solicitou o pouso, porém o avião não respondeu, sendo classificado como hostil.

O A-29 da FAB executou um tiro de aviso para forçar o piloto da aeronave interceptada a cumprir as determinações da Defesa Aérea, e voltou a comandar o pouso obrigatório. O bimotor novamente não respondeu e pousou na zona rural do município de Jussara, interior de Goiás. Um helicóptero da Polícia Militar de Goiás foi acionado e fez buscas no local.

O avião foi removido para o quartel da Polícia Militar de Goiás em Jussara.

A droga apreendida e encaminhada para a Polícia Federal em Goiânia.

Fonte: Agência Brasil fotos: Polícia Militar do Estado de Goiás

26 de Junho de 2017 às 09:05

Anvisa pode liberar vacinação em farmácias

Entidades criticam proposta e alertam para o risco aos pacientes e interesses comerciais

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) está elaborando regulamentação que trata sobre os requisitos mínimos para o funcionamento dos serviços de vacinação no país. A norma já passou por consulta pública e, se aprovada, permitirá que farmácias apliquem vacinas. Entretanto, entidades médicas temem que a resolução possa precarizar o serviço de vacinação e colocar em risco a população.

Segundo a Anvisa, a permissão para farmácias disporem de vacinas está prevista na Lei nº 13.021/2014, que trata sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas, e, com ela, a regulamentação vigente sobre o controle sanitário para estabelecimentos privados de vacinação, se tornou insuficiente para farmácias e drogarias.

“A fim de diminuir o risco da população brasileira frente ao possível uso e administração inadequados de um medicamento tão peculiar quanto a vacina, principalmente em estabelecimentos que não têm um histórico antigo na prática da vacinação, a Anvisa propõe norma sanitária com requisitos mínimos para a prestação dos serviços de vacinação”, diz a Anvisa, na justificativa da proposta.

Atualmente, além da rede pública, somente clínicas de vacinação podem oferecer o serviço, regulamentadas pela Portaria Conjunta Anvisa/Funasa nº 01/2000.

Entre outras exigências, pela norma atual, a clínica deve ter um médico como responsável técnico pelo estabelecimento. Segundo a presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), Isabella Ballalai, essa exigência é muito importante e está sendo retirada da nova proposta. “Ela tira a obrigatoriedade de maca, consultório e médico para atender evento adverso, desde o desmaio até anafilaxia. Isso não é serviço de vacinação, é aplicação de injeção”, disse ela, explicando que o médico especialista em vacinação é importante desde a triagem até o diagnóstico de reação à vacina.

A proposta de regulamentação em análise na Anvisa diz que o estabelecimento deve ter um profissional habilitado e capacitado para o serviço de vacinação. Também prevê que, em caso de intercorrências, ele deve garantir o encaminhamento do paciente ao serviço médico. E as vacinas que não fazem parte do calendário oficial do Programa Nacional de Imunizações deverão ser feitas mediantes prescrição médica.

Riscos à população

Para Isabella, esses requisitos não são suficientes e, acabar com as regras atuais pode ser prejudicial para a cobertura vacinal, pois um serviço precário de vacinação pode levar medo às pessoas. “A SBIm não discute onde a vacina é aplicada, na clínica médica ou farmácia, o que defendemos é a qualidade e manutenção das normas para que a vacinação não seja banalizada e a população não corra risco de erros. As normas deveriam ser mais exigentes e não menos”, disse a médica.

“Estamos falando de movimentos de antivacinismos, mitos, medos, famílias que circulam informações erradas em redes sociais. Um erro pontual pode fazer a população perder a confiança na imunização. Que sejam bem-vindas as farmácias, desde que o rigor nas exigências seja mantido”.

O presidente da ABCVAC (Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas), Geraldo Barbosa, concorda que os requisitos mínimos propostos podem prejudicar os serviços. “Não somos contra vacina estar em farmácias. Mas temos um nível de exigências que se provou muito eficaz para conseguir os resultados de imunização. Então, se vai entrar farmácia nesse mercado, porque flexibilizar a lei?”, disse, informando que os laboratórios de análise clínica passaram a oferecer vacinas porque se enquadraram na legislação atual.

Segundo a presidente da SBIm, também é errado falar em maior acesso da população às vacinas, pois as farmácias devem priorizar grandes mercados. Além disso, ela explica que a indústria de vacina não foi levada em conta para a edição da proposta de regulamentação. “A falta de vacinas que vivemos na rede privada é absurda, e isso deve ser colocado em discussão. E com o aumento dessa rede pode ser que se tenha menos vacinas ainda porque os fabricantes não conseguem atender o mercado”, argumentou Isabella.

Barbosa complementa dizendo que a previsão para a demanda atual de vacinas ser normalizada é entre 2020 e 2022, porque os laboratórios já estão no limite de produção e novas fábricas estão sendo construídas.

Interesse comercial

Para ele, o interesse comercial das farmácias é apenas na vacina contra gripe. “Não estão preocupados com o esquema vacinal completo”, disse. Segundo Barbosa, a vacina contra gripe é o que ajuda a manter o custo operacional das clínicas de vacinação, já que a operação de outras vacinas é quase negativo. Então, para ele, a nova regulamentação pode prejudicar a qualidade e acesso ao serviço quando as clínicas começarem a cortar custos com outras vacinas para pode competir no mercado.

A norma ainda está em elaboração e recebeu centenas de contribuições durante a consulta pública, que ocorreu no mês de maio. Não há prazo para a votação no colegiado da Anvisa.

Para o presidente do CFF (Conselho Federal de Farmácia), Walter da Silva Jorge João, a possibilidade das farmácias aplicarem vacina é uma ação social e as farmácias irão se adequar à regulamentação da Anvisa para garantir a qualidade do serviço e as condições impostas.

“Temos que ver as farmácias como unidades prestadoras de atenção à saúde e assistência farmacêutica, que têm sua contribuição com as políticas de saúde do país. É um avanço social. E vacina é medicamento e, sendo medicamento, o farmacêutico tem propriedade para fazer a aplicação”, disse.

Segundo João, a indústria precisa ter um olhar positivo para a situação dos estoques, pois vai aumentar o número de postos que passarão a oferecer as vacinas. O presidente do conselho ressalta ainda que o Brasil possui 80 mil farmácias e a concorrência com as clínicas de imunização vai ajudar na queda dos preços de vacina para a população.

A proposta de regulamentação sobre os requisitos mínimos para o funcionamento dos serviços de vacinação no país está disponível na página da Anvisa.

Fonte: Agência Brasil