# Drª Karina Alvarenga

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DISLIPIDEMIA?

8 de Agosto de 2017 às 10:14

 

1 – Dislipidemia é ter os níveis de colesterol e trglicerides elevados no sangue. Esses lípides são importantes para o organismo, entretanto quando em excesso colocam as pessoas em alto risco de infarto e derrame.

 

2 – Os fatores de risco para doenças cardiovasculares são: alimentação rica em gorduras e açúcares livres, obesidade, estresse, tabagismo e história familiar. Estimativas mostram que 20% das pessoas já tem placas de colesterol nas artérias aos 20 anos de idade.

 

3 – Importante lembrar que infarto e derrame são as maiores causas de mortalidade nos dias atuais.

 

4 – O diagnóstico consistem em dosar o colesterol total, frações e triglicérides. E deve ser realizado pelo menos uma vez ao ano nos adultos e precocemente em pacientes com história familiar de doença cardiovascular.

 

5 – Níveis de HDL maiores que 60mg/dl protegem o paciente contra doenças cardiovasculares. Já os níveis de triglicérides acima de 150mg/dl elevam esse risco além de ser fator de risco para desenvolvimento de diabetes e pancreatite. Os valores ideais de LDL variam segundo o risco cardiovascular. Em pacientes de alto risco necessitam estar abaixo de 70mg/dl.

 

6 – A redução do LDL para níveis desejados é o que se tem demonstrado maior eficácia na prevenção de infarto e derrames cerebrais. Principalmente pelo uso das estatinas. Essa prática tem colaborado para diminuição da mortalidade na população em geral. Os efeitos colaterais devem ser relatados ao médico e monitorados frequentemente.

 

7 – As dislipidemias podem ser de causa primária, ou seja, genética. Ou ainda, serem secundárias a doenças como diabetes descompensado, hipotireoidismo, obesidade, alcoolismo, doenças renais e até mesmo pelo uso de medicamentos como corticoides, diuréticos e betabloqueadores. Também podem decorrer do uso de anabolizantes.

 

8 – O tratamento das dislipidemias no paciente diabético deve ser mais agressivo a fim de reduzir de forma importante a prevalência de infarto e acidente vascular cerebral.

 

9 – Uma dieta hipocalórica e pobre em gorduras saturadas e colesterol é fundamental para o tratamento das dislipidemias. Atividade física realizada no mínimo 30 minutos pelo menos 4x na semana pode auxiliar a perda de peso e a redução do colesterol e triglicerídeos. Mesmo assim, ainda pode ser necessário o uso de medicamentos.

 

10 – Negligenciar o tratamento correto pode colocar a vida do paciente em risco. Bom lembrar que esse tratamento deve ser instituído por tempo indeterminado e sem interrupções.