# Natanael Diniz

Por uma educação provocativa

14 de Março de 2020 às 09:45

A educação é à base de toda sociedade. Essa premissa é sempre alardeada e é claro é verdadeira. Só por meio da educação podemos vislumbrar novos horizontes de prosperidade e conhecimentos.

Nos últimos anos o Brasil teve uma melhora significativa no acesso de crianças e jovens ao meio escolar, foram criados diversos programas de inclusão social e maiores recursos para garantir uma educação de qualidade.

A permanência do aluno na escola é outro desafio, a evasão caiu, mas ainda persiste em diversos estados brasileiros. Não adianta garantir o acesso, se o aluno não concluir as etapas de cada tempo escolar.

A qualidade do ensino tem sido medida por avaliações externas, tanto a âmbito federal quanto estadual.  Temos avanços para comemorar, mas muitos problemas de ordem governamental e continuidade de importantes políticas públicas para o meio educacional.

O professor e filosofo Mário Sergio Cortella afirma que se “ a educação não for provocativa, não constrói, não se cria, não se inventa, só se repete.” Sendo assim, temos que repensar nossas práticas educacionais. A escola hoje está encarregada de tarefas que muitas vezes são de responsabilidade dos pais, o ensino aprendizagem deve ser a tarefa maior da escola, os pais precisam tomar consciência da sua responsabilidade perante seus filhos, afinal valores e educação podem ser repassados pela escola, mas quem deve formar e educar o caráter dos filhos são os seus genitores ou responsáveis.

A educação provocativa deve prevalecer. Não podemos negligenciar o poder revolucionário da educação, o aluno deve questionar, ir além do óbvio.

Os professores são agentes desse processo. Sem eles, a educação falha. É evidente que precisamos valorizar mais os professores, não se faz educação de qualidade sem recursos. Infelizmente temos percebido que muda de governo, as ações mudam, aquilo que está dando certo deve ser mantido, mas nem sempre nossas autoridades eleitas pensam desse jeito.

Como cidadãos devemos ter nossa postura e cobrar dos nossos representantes melhor posicionamento diante da educação.

No atual momento temos observado certa paralisia no MEC- Ministério da Educação, os ataques as universidades, a autonomia dos reitores e os cortes de recursos evidenciam certa perseguição político partidária com aqueles que pensam diferente do atual governo federal. 

Essa situação compromete a vida de milhões que precisam da educação pública. Sendo assim, necessitamos que a educação cumpra seu papel de formar cidadãos críticos e responsáveis com a construção de uma sociedade melhor.

Natanael Oliveira Diniz – Professor e atualmente Subsecretário de Educação