# Natanael Diniz

Por uma sociedade leitora

5 de Março de 2018 às 08:56

A leitura sem sombra de dúvidas é um dos maiores fatores de aprendizado, quando falamos em leitura seja ela oral ou a própria leitura escrita estamos submetidos a um mundo de conhecimento vasto. Não é de hoje que temos ciência da falta de leitura, não só pelos jovens, mas segundo dados divulgados recentemente a população brasileira lê pouco, e entende minimamente um texto mais simples.

A tarefa de aprimoramento da leitura passa por uma série de mudanças, a escola tem papel fundamental nesse despertar literário, mas ela sozinha não consegue dinamizar esse processo. A família que apresenta esse hábito tende a ajudar seus filhos nessa busca pela leitura de bons livros. 

É evidente que todo esforço é essencial, mas a própria pessoa deve-se permitir esse hábito. Em outros países, não precisamos ir muito longe como à Argentina o índice de leitura é bem superior ao nosso, e em cada bairro existem boas livrarias para essa demanda populacional. Investir em novas escolas, bibliotecas equipadas, centros de leitura e pesquisa são caminhos que o poder público e a iniciativa privada devem alavancar, mas só isso não basta, pois criamos uma cultura de facilidade muito grande. Devido aos avanços tecnológicos a maioria das pessoas tende a “ler” superficialmente, afinal todo progresso é bem vindo, mas nada substitui uma boa leitura e uma obra de qualidade.

A sociedade em si necessita repensar suas práticas, pois a leitura bem feita e realizada tende a gerar cidadãos mais conscientes e críticos, a missão do setor educacional é gritante, mas nem por isso devemos deixar de estimular os hábitos de leitura. A compra de livros no Brasil ainda tem um preço elevado, mas existem boas bibliotecas públicas. Em nossa cidade não é diferente, temos um acervo rico e vasto à disposição da comunidade. Ou seja, precisamos estimular uma maior  leitura, não só de livros obrigatórios para realizar alguma tarefa escolar ou acadêmica, mas que a leitura seja uma prática diária.Em sala de aula a prática de leitura geralmente fica encarregada aos professores de Língua Portuguesa e Literatura, não podemos desperdiçar esse tempo só com essas disciplinas, os demais mestres devem cultivar essa prática dos alunos, o aluno tem que ser estimulado, provocado, aquilo que não me desafia tende a ser tido como irrelevante, portanto, como cidadãos que somos, não podemos deixar nossa força criativa de lado.

Os clássicos nos ensinam muito, a moral, a ética, os sentimentos, os dramas humanos, a filosofia, a arte, tudo é permitido por meio de uma boa leitura. Sendo assim, a leitura deve ocupar nosso cotidiano, se não seremos imersos num abismo de pessoas vazias e sem conteúdo diante de um mundo cada vez mais globalizado.  Afinal, o importante é ler, não importa o que seja. 

Viva a leitura!