# Natanael Diniz

Você tem empatia?

8 de Janeiro de 2019 às 18:42

Caros leitores, novo ano sendo apresentado e novas situações que merecem nossa atenção e apreço. Dia desses li um artigo sobre as questões que envolvem a empatia.  Afinal, o que é empatia? Empatia significa a capacidade para sentir o que sentiria outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela.  Ou seja, é colocar-se no lugar do outro.

Em tempos de enorme individualização e de egocentrismo acentuado temos percebido que essa empatia é pouco vivida pelas pessoas. A tendência nossa é julgar, massacrar e muitas vezes expor ao pior a pessoa que está passando por alguma dificuldade.

A capacidade de se colocar no lugar do outro é uma tarefa árdua, mas que enriquece nosso próprio ser. Precisamos captar essa realidade, às vezes o sofrimento do outro é uma constatação real de que não somos seres superiores, somos limitados, e erramos constantemente. 

Ser empático é ter afinidades e se identificar com a dor da outra pessoa. É muito triste constatar que em muitas situações não estamos nem aí para o que outro vive e sente.

Numa lógica mais cristã podemos afirmar que Jesus foi mestre da empatia, muito mais do que anunciar o Evangelho ele levou aos sofredores uma palavra amiga, um colo. Muito me assusta ver pessoas ditas cristãs que ao invés de dar amparo colocam-se como detentoras da moral absoluta.  O Papa Francisco em sua mensagem de ano novo afirmou veementemente que o cristão deve ser autêntico, se for para ser hipócrita é melhor ser ateu.

Numa linha mais de ouvir o outro e estender a mão, precisamos aprimorar nossa empatia em todos os aspectos da nossa vida.

Outro vertente da empatia é aquela que pressupõe uma ligação direta afetiva com a pessoa, essa ligação gera uma vontade de estar com a pessoa e assim promover uma relação feliz e gostosa. Nada melhor que estar com pessoas que nos geram prazer, alegria e satisfação.

Com o avanço das mídias sociais e da superexposição temos a proliferação de diversos momentos que atentam contra a empatia não só individual, mas coletiva.

A sociedade tem gerado conflitos que expõem de maneira cruel e grotesca a dor dos outros. Não podemos mudar o mundo e tudo aquilo de ruim que se apresenta, mas podemos encarar nossa própria consciência e que tenhamos essa habilidade, pois a dor que pode ser vivida pelo outro hoje pode ser vivida por mim depois.

Sendo assim, sejamos capazes dessa transformação, que pode melhorar nossa vida interior e social. 

Um abençoado 2019!