# Notícias Gerais

7 de Maio de 2021 às 10:08

Doença cerebral degenerativa afeta várias pessoas no Canadá e médicos ainda não descobriram a causa

A Rádio-Canadá, a emissora pública do país, obteve uma cópia de um memorando de saúde pública que foi enviado aos profissionais médicos da província alertando sobre um grupo de pacientes exibindo uma doença cerebral degenerativa desconhecida

Continue lendo após anúncio
 

Fonte: Correio Brasiliense Foto: Courtesy Steve Ellis A condição de Roger Ellis se estabilizou

Médicos no Canadá têm deparado com pacientes que apresentam sintomas semelhantes aos da doença de Creutzfeldt-Jakob, um mal raro e fatal que ataca o cérebro. Mas quando resolveram investigar o mal em mais detalhe, o que eles descobriram os deixou perplexos.

Quase dois anos atrás, Roger Ellis desmaiou em casa com uma convulsão em seu 40º aniversário de casamento.

Com 60 e poucos anos, Ellis, que nasceu e foi criado na bucólica península de Acadian, em New Brunswick, era uma pessoa saudável. Ele estava aproveitando sua aposentadoria após décadas trabalhando como mecânico industrial.

Seu filho, Steve Ellis, diz que depois daquele dia fatídico a saúde de seu pai piorou rapidamente.

"Ele teve delírios, alucinações, perda de peso, agressividade, fala repetitiva", diz ele.

"A certa altura, ele não conseguia nem andar. No intervalo de três meses, médicos disseram acreditar que ele estava morrendo— mas ninguém sabia por quê."

Os médicos de Roger Ellis primeiro suspeitaram da doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ). Trata-se de uma doença causada por proteínas chamadas de priões. A doença cerebral degenerativa fatal e rara faz com que os pacientes apresentem sintomas como falta de memória, mudanças de comportamento e dificuldades de coordenação.

Uma categoria conhecida da doença se chama Variante DCJ, que está associada à ingestão de carne contaminada com a doença da vaca louca. A DCJ também pertence a uma categoria mais ampla de doenças cerebrais como Alzheimer, Parkinson e ALS, em que as proteínas do sistema nervoso se deformam.

Mas o exame de DCJ de Ellis deu negativo, assim como a enxurrada de outros testes a que seus médicos o submeteram enquanto tentavam descobrir a causa de sua doença.

Seu filho diz que a equipe médica fez o possível para aliviar os diversos sintomas de seu pai, mas ainda havia um mistério: o que estava por trás da piora do quadro de Ellis?

Foto: Getty Images Moncton é a maior cidade da província de New Brunswick

Em março deste ano, Steve Ellis encontrou uma possível — embora parcial — resposta para o mal de seu pai.

A Rádio-Canadá, a emissora pública do país, obteve uma cópia de um memorando de saúde pública que foi enviado aos profissionais médicos da província alertando sobre um grupo de pacientes exibindo uma doença cerebral degenerativa desconhecida.

"A primeira coisa que eu disse foi: 'É como meu pai'", lembra ele.

Roger Ellis agora é considerado um dos afetados pela doença desconhecida e está sob os cuidados do neurologista Alier Marrero.

O neurologista do hospital Dr. Georges-L-Dumont University Hospital Center, da cidade de Moncton, diz que os médicos detectaram a doença pela primeira vez em 2015. Na época havia apenas um paciente — um "caso isolado e atípico", diz ele.

Mas, desde então, surgiram mais pacientes como o primeiro — o suficiente para que agora os médicos pudessem identificar uma condição ou síndrome diferente "nunca vista antes".

A província diz que está rastreando atualmente 48 casos, igualmente divididos entre homens e mulheres, em idades variando de 18 a 85 anos. Esses pacientes são da península Acadian e de áreas de Moncton de New Brunswick. Acredita-se que seis pessoas tenham morrido da doença.

A maioria dos pacientes começou a apresentar sintomas recentemente, a partir de 2018, embora acredite-se que um deles já os tenha apresentado em 2013.

O neurologista diz que os sintomas são variados.

A princípio, podem ocorrer alterações comportamentais como ansiedade, depressão e irritabilidade, além de dores inexplicáveis, dores musculares e espasmos em indivíduos saudáveis.

Frequentemente, os pacientes desenvolvem dificuldades para dormir — insônia grave ou hipersonia— e problemas de memória. Pode haver deficiências de linguagem que avançam rapidamente e que dificultam a comunicação e a manutenção de uma conversa fluente — problemas como gagueira ou repetição de palavras.

Outro sintoma é a perda rápida de peso e atrofia muscular, bem como distúrbios visuais e problemas de coordenação e espasmos musculares involuntários. Muitos pacientes precisam da ajuda de andadores ou cadeiras de rodas.

Alguns desenvolvem pesadelos ou alucinações auditivas ao acordar.

Vários pacientes apresentaram a Síndrome de Capgras, um distúrbio psiquiátrico em que uma pessoa acredita que alguém próximo a ela foi substituído por um impostor.

"É bastante perturbador porque, por exemplo, um paciente dizia à esposa: 'Desculpe senhora, não podemos ir para a cama juntos, eu sou casado' e mesmo quando a esposa dizia seu nome, ele respondia: 'Você não é a verdadeira'", conta o médico.

O neurologista do Canadá está liderando a investigação sobre a doença com a ajuda de uma equipe de pesquisadores e do órgão federal de saúde pública.

Os pacientes suspeitos passam por testes de priões e de condições genéticas, painéis que examinam doenças auto-imunes ou formas de câncer e exames para detectar vírus, bactérias, fungos, metais pesados e anticorpos anormais.

Eles são questionados sobre fatores ambientais, estilo de vida, viagens, histórico médico, comida e água. Eles são submetidos a punções espinhais para testar várias infecções e distúrbios possíveis.

Não há tratamento disponível contra as causas. O único tratamento possível é ajudar a aliviar o desconforto de alguns dos sintomas. Por enquanto, a teoria é que a doença é adquirida, não genética.

"Nossa primeira ideia comum é que há um elemento tóxico adquirido no ambiente desse paciente que desencadeia as mudanças degenerativas", diz o neurologista.Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

Foto: Getty Images Roger Ellis morava na cidade de Bathurst

O também neurologista, da Universidade de British Columbia, Neil Cashman, é um dos pesquisadores que está tentando desvendar o mistério médico.

Apesar dos pacientes não apresentarem vestígios de doenças por priões, a causa não foi completamente descartada, diz ele.

Outra teoria é a exposição crônica ao que é chamado de "excitotoxina", como o ácido domóico. Uma excitotoxina foi associada a um incidente de intoxicação alimentar em 1987 por mexilhões contaminados com a toxina, na província vizinha da Ilha Prince Edward.

Junto com problemas gastrointestinais, cerca de um terço das pessoas afetadas apresentaram sintomas como perda de memória, tontura, confusão. Alguns pacientes entraram em coma e quatro morreram.

Cashman diz que eles também estão olhando para outra toxina — beta-metilamino-L-alanina (BMAA) — que foi classificada como de risco para o desenvolvimento de doenças como Alzheimer e Parkinson.

Alguns pesquisadores também acreditam que esta segunda toxina esteja ligada a uma doença neurodegenerativa documentada em uma população indígena no território da ilha de Guam, no Pacífico, nos EUA, em meados do século 20, e encontrada em sementes que faziam parte da dieta do grupo.

Cashman adverte que a lista atual de teorias "não está completa".

"Temos que voltar aos primórdios, voltar à estaca zero", diz ele. "Neste ponto, basicamente, nada pode ser excluído."

Então, quantas pessoas mais podem ser afetadas por esta doença?

Marrero diz que é possível que seja um fenômeno mais amplo encontrado fora das duas regiões onde os pacientes foram identificados até agora (a península Acadian, com suas comunidades de pescadores e praias arenosas, e Moncton, um centro da cidade).

"Estamos vendo a ponta do iceberg? Talvez", diz ele. "Espero que possamos entender isso rápido para que possamos impedir mais casos."

Embora aqueles que vivam nas comunidades afetadas estejam compreensivelmente preocupados, Marrero exorta as pessoas a "trabalharem com esperança, não com medo. O medo paralisa".

A condição de Roger Ellis se estabilizou desde a rápida progressão inicial, diz seu filho.

Ele está em um asilo especializado e precisa de ajuda para atividades diárias. Ele ainda tem problemas com a fala e o sono.

Steve Ellis, que dirige um grupo de apoio no Facebook para famílias afetadas pela doença, pede que o governo se comprometa com a transparência sobre a doença.

Acima de tudo, ele quer saber o que fez seu pai adoecer.

"Eu sei que eles estão trabalhando nisso, mas como isso aconteceu?", pergunta.

"Como família, estamos cientes do fato de que ele provavelmente vai morrer por causa disso."

7 de Maio de 2021 às 08:40

Trabalhadores nascidos em junho podem sacar auxílio emergencial

Parcela havia sido depositada em 18 de abril

Continue lendo após anúncio
 

Fonte: Agência Brasil  Colaborou Andreia Verdélio Edição: Graça Adjuto foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Trabalhadores informais e inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos em junho podem sacar, a partir de hoje (7), a primeira parcela do auxílio emergencial 2021. O dinheiro havia sido depositado nas contas poupança digitais da Caixa Econômica Federal em 18 de abril.

Os recursos também poderão ser transferidos para uma conta corrente, sem custos para o usuário. Até agora, o dinheiro podia ser movimentado apenas por meio do aplicativo Caixa Tem, que permite o pagamento de contas domésticas (água, luz, telefone e gás), de boletos, compras em lojas virtuais ou compras com o código QR (versão avançada do código de barras) em maquininhas de estabelecimentos parceiros.

Em caso de dúvidas, a central telefônica 111 da Caixa funciona de segunda a domingo, das 7h às 22h. Além disso, o beneficiário pode consultar o site auxilio.caixa.gov.br.

O auxílio emergencial foi criado em abril do ano passado pelo governo federal para atender pessoas vulneráveis afetadas pela pandemia de covid-19. Ele foi pago em cinco parcelas de R$ 600 ou R$ 1,2 mil para mães chefes de família monoparental e, depois, estendido até 31 de dezembro de 2020 em até quatro parcelas de R$ 300 ou R$ 600 cada.

Neste ano, a nova rodada de pagamentos, durante quatro meses, prevê parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo do perfil: as famílias, em geral, recebem R$ 250; a família monoparental, chefiada por uma mulher, recebe R$ 375; e pessoas que moram sozinhas recebem R$ 150.

Regras

Pelas regras estabelecidas, o auxílio será pago às famílias com renda mensal total de até três salários mínimos, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. É necessário que o beneficiário já tenha sido considerado elegível até o mês de dezembro de 2020, pois não há nova fase de inscrições. Para quem recebe o Bolsa Família, continua valendo a regra do valor mais vantajoso, seja a parcela paga no programa social, seja a do auxílio emergencial.

A Agência Brasil elaborou um guia de perguntas e respostas sobre o auxílio emergencial. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão os critérios para receber o benefício, a regularização do CPF e os critérios de desempate dentro da mesma família para ter acesso ao auxílio.

7 de Maio de 2021 às 17:57

Novo lote de vacinas vai ampliar vacinação para grupos prioritários em Minas

Décima oitava remessa tem 396.500 doses da AstraZeneca para reforçar a vacinação

Continue lendo após anúncio
 

Pessoas com comorbidades, Forças de Segurança e de Salvamento, grávidas e mães que acabaram de dar à luz poderão contar com o reforço do 18º lote de vacinas contra a covid-19. A remessa chegou nesta quinta-feira (6/5) para dar continuidade à maior operação de vacinação da história de Minas Gerais.

São 396.500 doses da AstraZeneca que possibilitarão ampliar a imunização dos grupos prioritários neste momento.

O Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, orienta que a vacinação seja dividida em fases, a serem observadas da seguinte forma:

Na fase I, vacinar proporcionalmente, de acordo com o quantitativo de doses disponibilizado:

- Pessoas com Síndrome de Down, independentemente da idade (18 a 59 anos);
- Pessoas com doença renal crônica que realizam diálise independentemente da idade (18 a 59 anos);
- Gestantes e puérperas com comorbidades, independentemente da idade (18 a 59 anos);
- Pessoas com comorbidades de 55 a 59 anos;
- Pessoas com Deficiência Permanente cadastradas no Programa de Benefício de Prestação Continuada (BPC) de 55 a 59 anos.

Na fase II, vacinar proporcionalmente, de acordo com o quantitativo de doses, segundo as faixas de idade

- De 50 a 54 anos, 45 a 49 anos, 40 a 44 anos, 30 a 39 anos e 18 a 29 anos;
- Pessoas com comorbidades;
- Pessoas com Deficiência Permanente cadastradas no BPC;
- Gestantes e puérperas independentemente de condições pré-existentes.

Acompanhe o quantitativo de cada remessa

1ª remessa
577.480 doses da CoronaVac em 18/1/2021

2ª remessa
190.500 doses de AstraZeneca em 24/1/2021 

3ª remessa
87.600 doses da CoronaVac em 25/1/2021

4ª remessa
315.600 doses da CoronaVac em 7/2/2021 

5ª remessa
220.000 doses da AstraZeneca e 137.400 doses da CoronaVac em 23/2/2021

6ª remessa
285.200 doses da CoronaVac em 3/3/2021

7ª remessa
303.600 doses da CoronaVac em 9/3/2021

8ª remessa
509.800 doses de CoronaVac em 17/3/2021

9ª remessa
86.750 doses da AstraZeneca e 455.800 doses da CoronaVac em 20/3/2021 

10ª remessa
116.600 doses de AstraZeneca e 359.000 doses de CoronaVac em 26/3/2021 

11ª remessa
73.250 doses de AstraZeneca e 943.400 doses de CoronaVac em 1/4/2021 

12ª remessa
257.750 da AstraZeneca e 220.400 da Coronavac, em 8/4/2021

13ª remessa
426.000 da AstraZeneca e 275.200 da CoronaVac, em 16/4/2021

14ª remessa
316.750 doses da AstraZeneca e 73.800 da CoronaVac, em 23/4/2021

15ª remessa
578.000 doses da AstraZeneca e 11.800 doses da Coronavac, em 29/4/2021

16ª remessa
30.400 doses da Coronavac, em 1/5/2021 e 676.250 doses da AstraZeneca, em 03/5/2021

17ª remessa
50.310 doses da Pfizer, em 3/5/2021

18ª remessa
396.500 doses da AstraZeneca, em 6/5/2021

Total: 7.974.960 doses

Crédito (fotos): Divulgação / SES-MG

Imagens/vídeos para equipes de TV e portais: https://drive.google.com/drive/folders/1zy0HGKYL_LcZEk0OYaK8vRX8V-Tqqwi1?usp=sharing

(Crédito: Divulgação / SES-MG)

...
6 de Maio de 2021 às 16:31

Ministério da Saúde libera 284 leitos de suporte ventilatório pulmonar para Minas Gerais e mais 10 estados

A autorização é a nova modalidade de apoio financeiro dada pelo Ministério da Saúde, que substituiu a habilitação de leitos.

Continue lendo após anúncio
 

Fonte: Agência Brasil Edição: Kleber Sampaio Marco Santos/Fotos Públicas

O Ministério da Saúde autorizou hoje 6/05 mais 284 leitos com suporte ventilatório pulmonar para tratamento de pacientes com quadro confirmado ou com suspeita de covid-19. Os recursos atenderão a implantação dessas estruturas Minas Gerais e em dez estados. 

Leitos de suporte ventilatório são utilizados para pacientes que precisam desse apoio, mas ainda não evoluíram para um quadro grave, que demande a transferência para leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Os leitos foram autorizados para diferentes modalidades de unidades de saúde que realizam atendimento desses pacientes, de hospitais de grande e pequeno portes, pronto-socorros e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Foram contemplados, além do Distrito Federal, os estados do Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Piauí, Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Rio Grande do Sul e Paraíba. No total, serão destinados R$ 4 milhões para esse apoio.

Até o momento foram autorizados 2,7 mil leitos de suporte ventilatório pulmonar. A autorização é a nova modalidade de apoio financeiro dada pelo Ministério da Saúde, que substituiu a habilitação de leitos. O governo federal arca com parte das despesas. Agora, o pagamento não é mais antecipado, mas mensal.

 

6 de Maio de 2021 às 16:26

Rio de Janeiro identifica nova cepa do vírus em circulação no estado

Ainda não se sabe se a variante é mais transmissível ou letal

Continue lendo após anúncio
 

Fonte: Agência Brasil Edição: Denise Griesinger foto: © Fiocruz/Arquivo

A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES) identificou uma nova variante do vírus da covid-19 em circulação no estado, de acordo com comunicado divulgado hoje (6) pelo governo. A cepa, que recebeu o nome P.1.2 foi encontrada principalmente na Região Norte, mas também foi identificada em amostras nas regiões Metropolitana, Centro e Baixada Litorânea.

A nova variante do SARS-CoV-2 recebeu esse nome por se tratar de uma mutação da linhagem P1, que permanece em maior frequência no estado, correspondendo a 91,49% das amostras analisadas. Essa variante foi identificada inicialmente em Manaus. A P.1.2 foi identificada em 5,85% das 376 amostras submetidas à segunda etapa do sequenciamento realizado pela SES.

Também foram identificadas, em menores proporções, as linhagens B.1.1.7, variante identificada inicialmente no Reino Unido, encontrada em 2,13% das amostras e P2, identificada no próprio estado do Rio, em 0,53%.

Segundo a subsecretária de Vigilância em Saúde da SES e idealizadora da pesquisa, Cláudia Mello, ainda não se sabe se a nova variante é mais transmissível ou letal. De acordo com ela, a partir deste resultado, o monitoramento segue aprofundando os efeitos que poderão ser apresentados, ou seja, o comportamento epidemiológico da variante.

O estudo mostra que a linhagem P1 se mantém presente em quase todas as regiões do estado, e a P2, nas regiões Norte e Baixada Litorânea. A variante B.1.1.7 foi identificada em todas as regiões, exceto na Baixada Litorânea.

Monitoramento

Nesta etapa, de acordo com a SES, foram investigadas 376 amostras, de 57 municípios, selecionadas a partir de genomas enviados ao Laboratório Central Noel Nutels (Lacen/RJ), entre os dias 24 de março e 16 de abril.

Este estudo integra uma das maiores iniciativas na área de sequenciamento do vírus da covid-19 do país, que prevê análise de cerca de 4,8 mil amostras em seis meses.

A ação é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e conta com a parceria do Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), do Laboratório de Virologia Molecular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do Lacen, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Secretaria Municipal de Saúde do Rio.

Há ainda outros dois sequenciamentos de amostras do Rio de Janeiro em andamento, realizados pela Fiocruz e pelo Ministério da Saúde. Ao todo, foram analisadas, desde fevereiro, 708 amostras. A variante P1 prevaleceu nos sequenciamentos.

6 de Maio de 2021 às 16:32

“Kerli e Mirla são heroínas”, diz delegado sobre as vítimas do ataque na creche em Santa Catarina

As duas profissionais da educação que morreram no ataque tinham 20 e 30 anos.

Em um story no Instagram, o delegado Jerônimo Marçal se pronunciou dizendo que as profissionais da educação vítimas do ataque à creche em Saudades (SC), na última terça-feira (4), são heróinas. 

A professora Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos e a agente educacional Mirla Renner de 20 anos, morreram após serem atacadas por golpes de uma espada katana na creche em que trabalhavam. Três alunos, todos menores de dois anos de idade, também foram vítimas fatais do ataque

No momento do crime, a primeira atingida foi a professora Kerli. Com ferimentos, a funcionária correu pela instituição e conseguiu avisar outras professoras, que logo trancaram as salas, impedindo a entrada do jovem.

Entretanto, Mirla, que estava com três crianças na primeira sala, acabou sendo ferida, assim como os pequenos.

O velório de todas as vítimas foi coletivo no Parque de Exposições Theobaldo Hermes. Uma outra criança, de 1 ano e 8 meses, que também foi atingida pelo suspeito, está hospitalizada em estado grave, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Fonte: RIC Mais Aline Taveira / Produtora (Fotos: Reprodução)

Notícias Relacionadas

Jovem invade creche e mata 2 professoras e 3 crianças em Santa Catarina

Quem são as vítimas do ataque a creche em Saudades (SC)

Chapecoense homenageia vítimas de creche em SC: 'Atrocidade'

Estado de saúde de autor de ataque em Saudades (SC) é gravíssimo

Governadora decreta luto oficial de três dias por mortes em escola de Saudades

Despedida às vítimas do ataque à creche em Santa Catarina tem velório coletivo

6 de Maio de 2021 às 15:14

Após roubo de três veículos e bens na Zona Rural do Distrito de Tapuirama mulheres são presas por receptação e um criminoso identificado

Dois veículos e parte dos bens recuperados

Continue lendo após anúncio
 

Com informações e fotos da Polícia Militar de Uberlândia

UBERLÂNDIA (MG) - Na madrugada de quarta-feira, 05/05, por volta das 05h10min, a guarnição da Polícia Militar foi acionada e compareceu na Zona Rural do Distrito de Tapuirama onde segundo relatos das vítimas, por volta das 01h20mim, foram acordados por aproximadamente 12 assaltantes, todos encapuzados e alguns armados, possivelmente com revólveres, que após abordarem as vítimas, reuniram todos em um alojamento e anunciaram o roubo, onde foram levados vários pertences pessoais das vítimas e três veículos, sendo uma caminhonete Hillux de cor preta, uma Fiat Strada de cor vermelha, e um chevrolet Tracker de cor prata, este último pertencente a uma empresa de aluguel de veículos.

Segundo a PM as vítimas disseram que permaneceram trancadas e foram avisadas pelos autores que só poderiam sair do alojamento depois de duas horas.

Assim que as vítimas saíram do alojamento, conseguiram localizar um celular que estava jogado no chão.

Uma das vítimas ligou para o proprietário da Fiat Strada relatando o roubo a fazenda, que de imediato acionou a Polícia Militar informando que o seu carro Fiat Strada era rastreado e que a localização se deu na rua Rio Jaguari, no bairro Mansuor.

As viaturas do 32º BPM, deslocaram para o local, fizeram o cerco e viram a caminhonete Fiat Strada na garagem da residência.

Os militares adentraram e no interior da cabine do veículo localizaram vários objetos roubados pertencentes a algumas vítimas.

Segundo a PM na residência encontravam-se três pessoas do sexo feminino, uma adolescente de 17 anos e duas maiores de 19 e 22 anos.

Os militares ao darem buscas no interior da casa, um dos quartos, encontraram uma certa quantia de maconha, uma caixinha contendo uma balança de precisão, uma trouxinha de um pó de cor branca de cocaína, dezenove munições calibre .380 e um colete balístico, conforme pesquisa, pertencente a Secretaria de Defesa Social de Minas Gerais, e dois rádios portáteis da marca baofeng modelo bf-777s. na capa do colete encontraram os documentos de um dos suspeitos, que possui vários inquéritos criminais e atualmente encontra-se cumprindo penal no regime aberto com uso de tornozeleira.

A PM durante a confecção do reds, os policiais foram informados que as placas balísticas pertencem ao sistema prisional da cidade de Juiz de Fora e foram furtados em 2017.

As vítimas não reconheceram as mulheres como participantes do roubo à fazenda.

Os militares deram voz de prisão/apreensão às mulheres pelo crime de receptação.

Por volta das 14h10min uma das vítimas, recebeu uma ligação do gerente da fazenda informando que o veículo Chevrolet Tracker foi localizado no meio do milharal próximo ao silo.

Trabalharam nesta ocorrência os militares da VP 28687 sargento Sales e cano Joel

A equipe de Apoio VP 29267 Cabo Graciela e soldado Maxwell

VP 29311 Tenente Wesley e cabo C. Ferreira

Tático Móvel sargento Tatiane, cabos Barbosa, Guias e Sammy e as viaturas do 32° BPM

6 de Maio de 2021 às 14:02

Minas Gerais: Confira Informe Epidemiológico Coronavírus 06/05/2021

Veja em detalhes o boletim

Até o momento foram 1.396.534 casos confirmados, sendo 8.725 nas últimas 24 horas.

Estão em acompanhamento 74.761 casos e são 1.286.608 casos recuperados.

Estão confirmados 35.165 óbitos, sendo 328 nas últimas 24 horas.