# Notícias Gerais

9 de Janeiro de 2017 às 08:56

É treta! Marília Mendonça posta comentário e fãs enxergam alfinetada em Simone, Simaria e Anitta

Era um elogio para Maiara e Maraisa, mas seguidores entenderam como crítica ao trio de 'Loka'

Marília Mendonça editou um post que publicou em seu Instagram depois de a primeira versão ter causado um rebuliço entre os fãs da cantora com os da funkeira Anitta e da dupla Simone e Silmara. Marília postou o que era para ser um elogio às amigas da dupla Maiara e Maraisa pelo projeto "A festa das patroas" que elas fizeram juntas, mas usou expressões como "pura amizade", "sem copiar", "sem fazer mídia", "sem fazer por dinheiro" e "verdadeiras patroas".

Foi o que bastou para que os internautas vissem na mensagem uma crítica para a dupla Simone e Silmara, que acaba de lançar o clipe da música "Loka" com Anitta. Marília começou a ser atacada nas redes sociais e acabou editando trechos do post original, além de compartilhar outro, com explicações.

— É sério isso (risos)? Meu Deus, em que mundo nós vivemos? Eu não posso parabenizar minhas amigas sem ter que vir e dar satisfação. Chega a ser engraçado o tempo que vocês têm para insultar as pessoas, enquanto Anitta é superminha amiga mana, e as meninas Simone e Simaria ainda não conheci, mas estou cheia de músicas delas na playlist!... É como a menina do fã-clube disse: vocês estão passando vergonha... Não existe ódio, pelo contrário, estou compartilhando o amor com minhas irmãs, Maiara e Maraisa, que lutaram tanto, ou quer dizer, muito mais para chegarem até aqui. Brigas não vão trazer nem a minha admiração nem a das artistas em que são fãs. Ser fã passa longe disso. Beijo e relaxem um pouco!

Na mensagem original, que causou a confusão, Marília dizia: "Um brinde às tantas premiações que a vida nos dá assim, juntas, meninas! Um brinde a tudo que nasceu da mais pura amizade, sem copiar, sem fazer mídia, sem fazer por dinheiro... Desde o começo, sempre foi por amor! Um brinde às verdadeiras patroas desde quando tudo ainda era nada, Maiara e Maraisa".

Em seguida, ele trocou alguns trechos, para tentar colocar panos quentes, mas o mal entendido já tinha repercutido nas redes sociais. Depois de editado, o post ficou assim: "Um brinde às tantas premiações que a vida nos dá assim, juntas meninas! Um brinde à tudo que nasceu da mais pura amizade, sem copiar, sem fazer por mídia, sem fazer por dinheiro... desde o começo sempre foi por amor!!!! Um brinde às minhas patroas desde quando tudo ainda era nada, Maiara e Maraisa".


Fonte:R7

9 de Janeiro de 2017 às 08:43

Fifa irá expandir Copa do Mundo para 48 seleções a partir de 2026

O acordo deste domingo foi informal, e deverá ser oficializado na próxima terça-feira (10).

Em reunião prévia com dirigentes de todos os continentes neste domingo (8), em Zurique (Suíça), a Fifa decidiu que a Copa do Mundo terá 48 seleções, e não mais 32, a partir da edição de 2026. A informação foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo e confirmada pelo UOL Esporte.

O acordo deste domingo foi informal, e deverá ser oficializado na próxima terça-feira (10), também em Zurique. Ainda não foi definido como será feita a divisão das 16 novas vagas entre as federações continentais. Uma possibilidade é que a América do Sul, que tem apenas dez seleções, fique com seis vagas na Copa e com chance de conquistar mais uma na repescagem.

Outra decisão que deverá ser tomada até terça-feira diz respeito ao novo formato de disputa. O presidente da Fifa, Gianni Infantino prefere um formato que tem 16 equipes já pré-classificadas para o grupo de 32 equipes. Outros 32 países disputariam mais 16 vagas em uma espécie de torneio eliminatório. A partir daí, se manteria a fórmula da Copa do mundo atual. Outra possibilidade são 16 grupos de três times, com dois primeiros classificados por chave para o mata-mata, que ganharia mais uma fase.

Apesar do inchaço do torneio, que passará a ter 80 jogos em vez dos atuais 64, a ideia da Fifa é realizar a Copa com a mesma duração atual (32 dias). Se aprovado o formato de 16 grupos, uma seleção que chegar à final disputaria sete jogos, assim como no modelo de 32 times.http://t.dynad.net/pc/?dc=5550001892;ord=1483958426540

A expansão da Copa para 48 seleções já foi criticada por personalidades do futebol como Pep Guardiola, técnico do Manchester City, e Joachim Löw, treinador da Alemanha. Uma das preocupações é que o torneio tenha uma queda de nível técnico com a entrada de mais equipes.

O principal defensor do aumento de vagas foi o presidente Gianni Infantino. Há duas explicações para isso: 1) a estimativa da Fifa é de que o crescimento da Copa proporcionará um aumento entre US$ 750 milhões e US$ 1 bilhão nos contratos de televisão do Mundial. 2) Incrementar o número de vagas por continente agrada mais países e portanto membros do Congresso da Fifa, que elegeu Infantino ao cargo e que decidirá se ele continua.

No caso do aumento de renda de televisão, isso significaria que a Fifa subiria em 20% as suas receitas por ciclo de Mundial, que atualmente giram em torno de US$ 5 bilhões. Em relação a agrados políticos, a Conmebol, por exemplo, deve passar a ter 6,5 vagas, isto é, classificaria quase o continente inteiro já que são dez países na região.

Fonte: UOL Esportes

9 de Janeiro de 2017 às 07:23

Evangelho do Dia

Jesus recebeu o batismo. E, enquanto rezava, o céu se abriu.

Este foi o testemunho de João [...]: "Eu não sou o Cristo”. – "Pois, então, quem és?” – perguntaram-lhe eles. "És tu Elias?”. Disse ele: "Não o sou”. "És tu o profeta?”. Ele respondeu: "Não”. [...] Ele respondeu: "Eu sou a voz que clama no deserto: Endireitai o caminho do Senhor, como o disse o profeta Isaías” (40,3). Alguns dos emissários eram fariseus. Continuaram a perguntar-lhe: "Como, pois, batizas, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?” João respondeu: "Eu batizo com água, mas no meio de vós está quem vós não conheceis. Esse é quem vem depois de mim; e eu não sou digno de lhe desatar a correia do calçado”. [...]

 

Evangelho de hoje: Jo 1,19-28

9 de Janeiro de 2017 às 18:59

VÍDEO - Pastor Valdemiro Santiago da Igreja Mundial do Poder de Deus foi atacado a golpes de facão durante culto

Segundo a polícia, o homem não é um fiel. Ele vai responder por tentativa de homicídio.

O Pastor Valdemiro Santiago foi atacado num culto neste domingo, 8 de janeiro, por homem que lhe desferiu um golpe de facão no pescoço, provocando um corte profundo.

O ataque ocorreu por volta das 8h, horário em que sua pregação estava sendo transmitida ao vivo para todo o país. 

O pastor foi hospitalizado e passou por cirurgia e  levou cerca de 20 pontos, não correndo risco de morte. O pastor que não corre risco de morte e segue internado, ao lado da mulher, a bispa Franciléia, publicou um vídeo (veja abaixo) em que considera um “livramento” ele ter sobrevivido ao ataque. A vítima tranquilizou os fiéis dizendo que perdoa o criminoso. "Estava limpando as mãos, acabando de ouvir um milagre de um testemunho. Entrou alguém que eu não sei, por trás, e me deu uma facada no pescoço”.

O ataque aconteceu na Igreja Mundial do Poder de Deus, no Brás, na Zona Sul de São Paulo. Ele realizava o culto quando um  rapaz, o esfaqueou duas vezes no pescoço. O ataque ocorreu por volta das 8h, horário em que sua pregação estava sendo transmitida ao vivo para todo o país. 

Nas imagens publicadas na Fan Page Oficial do pastor Valdemiro Santiago aparece um homem jovem já imobilizado pelos seguranças da Igreja e um facão. A Polícia Civil de São Paulo prendeu o suspeito em flagrante que foi levado para a 8ª DP (Bras). Segundo a polícia, o homem não é um fiel. Ele vai responder por tentativa de homicídio. Sua identidade ainda não foi revelada.

7 de Janeiro de 2017 às 09:29

Dose dupla: vacinação contra HPV nos meninos previne doenças e auxilia na imunização das meninas

Além de proteger contra doenças como câncer de pênis, vacina diminui população infectada

A ampliação da vacinação contra o HPV (papilomavírus humano) para os meninos pelo Ministério da Saúde iniciada essa semana no Brasil é uma nova etapa na estratégia de diminuir as doenças sexualmente transmissíveis pelo vírus. A partir de 2017, seis milhões de doses estarão disponíveis, nas unidades da rede pública brasileira, para meninos de 12 e 13 anos. Segundo a pediatra Flávia Bravo, presidente regional da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), no Rio de Janeiro, a imunização é uma maneira de os pais encararem a sexualidade de seus filhos, para que os jovens iniciem mais preparados a vida sexual. A situação também vale para as meninas, que desde 2014 vêm recebendo a vacina.

— Estudos mostram que não há relação entre a vacinação e o início da vida sexual. Temos de abrir o olho e saber que nossos filhos vão iniciar a vida sexual na adolescência, não adianta negar, independentemente de estar vacinado ou não. Se eu quero proteger meu filho, é melhor ele se vacinar antes que entre em contato com o vírus e, quanto mais novo ele for, melhor será a resposta à vacina. A idade estipulada tem a ver com isso.

Para o infecto pediatra Renato Kfouri, vice-presidente da SBIm, após o Ministério da Saúde ter priorizado as meninas — em função da alta incidência de HPV nos casos de câncer de colo de útero (são 16 mil novos no Brasil, com algo em torno de 5.000 mortes) — uma nova etapa se inicia com a inclusão dos meninos para receberem as doses disponíveis em unidades do SUS (Sistema Único de Saúde).

— O que se tem demonstrado nos outros países, e o Brasil é o sétimo país do mundo que introduz a vacina no sexo masculino, é que, quando se associa um vírus de transmissão sexual a ambos os sexos, e os meninos são imunizados também, cresce muito a proteção das meninas. Além disso elas também são estimuladas a irem se vacinar.

Kfouri ressalta que a vacinação irá prevenir doenças também causadas pelo HPV no sexo masculino, como câncer de pênis, de ânus, de boca e de faringe. Dados da SBIm mostram que 90% dos casos de câncer de ânus são causados pelo HPV. Nos casos de câncer de boca, 75% são consequência do HPV, sendo que, no Brasil, surgem 20 mil casos de câncer de boca por ano. Nos casos de câncer de pênis, o índice por HPV chega a 65%. Além de trabalhar pela prevenção destas doenças, a vacinação em meninos, segundo o médico, irá reduzir significativamente a incidência do vírus de uma maneira geral, já que a população imunizada estará cada vez maior.

— Existe o ganho adicional para a prevenção das meninas, além da prevenção das doenças no sexo masculino. É uma estratégia que está se mostrando mais eficaz quando se associa ambos os sexos em um programa de vacinação.

A imunização pode ocorrer, em clínicas particulares, também para pessoas fora da faixa etária determinada pelo SUS e que já iniciaram a vida sexual. O custo de cada dose é de cerca de R$ 350,00. Para quem já iniciou a vida sexual e teve contato com o vírus, a vacina terá a mesma eficácia se a pessoa receber uma terceira dose, meses depois, já que as duas apenas podem não ser suficientes. Isto porque a vacina na rede pública é direcionada a idades em que, segundo estudos, os pré-adolescentes ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, ainda não foram expostos ao HPV, o que potencializa o poder de imunização.

O Brasil é a primeira nação da América do Sul a incluir a vacina para meninos dentro do calendário da rede pública. A iniciativa também foi implantada nos Estados Unidos, Israel, Áustria, Austrália, Porto Rico e Panamá. Na Austrália, casos de verruga genitais foram praticamente zerados em função da vacina.

Vacina protege contra lesões 

Dados publicados nos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Canadá apontam redução das lesões "chamadas pré-cancerosas, tratadas antes de virar câncer, precursoras do câncer", explicou Kfouri. Porém, segundo o médico, devido à lenta evolução do câncer de colo de útero e de outros tumores relativos ao vírus, ainda não há estatísticas que apontem uma diminuição da incidência dessas doenças por causa da vacina, descoberta apenas há cerca de 10 anos.

—  Certamente daqui a algumas décadas vamos observar uma grande redução dos casos de câncer de colo de útero [por causa do imunizante]. 

HPV é vírus muito comum

Bastante frequente e presente em cerca de 80% dos indivíduos com vida sexual, o HPV é um vírus que tem potencial para causar doenças em ambos os sexos. A vacina distribuída no SUS é quadrivalente, protegendo contra quatro tipos de HPV: o 6, o 11, o 16 e o 18. O vírus tem mais de 100 variações. A grande maioria não traz prejuízos à saúde.

No caso da vacina, os tipos 6 e 11 estão ligados ao surgimento de verrugas genitais em 90% dos casos. Já os 16 e 18 se relacionam a 70% dos casos de câncer de órgãos genitais como colo de útero, vulva, vagina e pênis. Kfouri conta que o HPV é um vírus independente, assim como outros, como o da gripe, da hepatite e Aids. A contaminação pode até ser feita pelo contato de pele, mas a grande maioria dos casos é decorrente de relações sexuais.

— A transmissão se dá de pessoa para pessoa, quase exclusivamente por contato sexual. O HPV é um vírus que predominantemente ataca mucosas, por isso causa câncer na boca, faringe, vagina, ânus e outros órgãos genitais.

Por uma decisão estratégica, vinculada aos custos e às doses disponíveis, tendo também como referências a Sociedade Brasileira de Imunizações e a Sociedade Brasileira de Pediatria, o Ministério da Saúde estipulou as idades a serem incluídas na vacinação. As doses foram adquiridas por R$ 288,4 milhões e durante 2017 deverão imunizar pelo menos 3,6 milhões de meninos.

Assim como em relação às meninas, a faixa etária será ampliada gradativamente até 2018 para alcançar um universo maior de crianças próximas de iniciar a vida sexual.  Em 2018, os meninos vacinados deverão ter entre 11 e 12 e, em 2019, entre 9 a 11 para que, até 2020, praticamente todo o universo masculino de adolescentes esteja imunizado. Para a imunização, são necessárias duas doses, em um prazo de seis meses entre uma e outra.

Fonte:R7

7 de Janeiro de 2017 às 08:46

Secretário de Temer que pediu mais chacinas é demitido

Palácio do Planalto considerou "infeliz" a declaração de Bruno Júlio

O secretário nacional de Juventude, Bruno Júlio, foi demitido nesta sexta-feira (6) depois de criticar a repercussão dada ao massacre de presos no Amazonas e em Roraima. Ele disse que estava "havendo uma valorização muito grande da morte de condenados, muito maior do que quando um bandido mata um pai de família que está saindo ou voltando do trabalho".

O Palácio do Planalto considerou "infeliz" a declaração do secretário. Segundo assessores do Planalto, porém, o secretário pediu demissão e ela foi aceita pelo presidente Michel Temer na noite desta sexta.

Horas antes, o secretário havia dito que era "filho de policial" e entendia "o dilema diário de todas as famílias". "Quando meu pai saía de casa, vivíamos a incerteza de saber se ele iria voltar, em razão do crescimento da violência", afirmou o secretário - seu pai, Cabo Júlio (PMDB), atualmente é deputado estadual em Minas Gerais.

À coluna do jornalista Ilimar Franco, publicada no site do jornal O Globo, Bruno Júlio disse que "tinha era que matar mais" e "tinha de ter uma chacina por semana". "Eu sou meio coxinha sobre isso. Sou filho de polícia, né? Tinha era de matar mais. Tinha de fazer uma chacina por semana", afirmou à coluna.

Após a repercussão da declaração, o secretário divulgou nota sobre o assunto. "O que eu quis dizer era que, embora o presidiário também merecesse respeito e consideração, eu entendo que também temos de valorizar mais o combate à violência. Mecanismos que o Estado não tem conseguido colocar à disposição da população plenamente", afirmou.

Bruno Júlio foi nomeado por indicação da bancada mineira do PMDB. Ele é presidente licenciado da Juventude Nacional do partido. Para o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, é uma "afronta" mantê-lo na secretaria após as declarações.

Fonte: Estadão

7 de Janeiro de 2017 às 08:44

Massacres no Norte revelam risco de violência tomar prisões e ruas do País

Em menos de uma semana, mais de 90 presos morreram em penitenciárias do Norte do País

As mais de 90 mortes que aconteceram em Manaus, no último domingo (1), e em Roraima, nesta sexta-feira (6), podem indicar um movimento de motins em presídios do Brasil. A análise foi feita por especialistas ouvidos pelo R7 que alertam também para a possibilidade de a briga entre facções chegar às ruas.

O pesquisador do grupo de estudos sobre violência e administração de conflitos da Universidade Federal de São Calos, Felipe Athayde Lins de Melo, diz que está evidenciado uma disputa de mercado na região Norte e Nordeste do Brasil pelas facções e que um acordo foi rompido.

— A tendência é que isso se espalhe para a região Norte e Nordeste. O Estado não tem condições de controlar isso. Anunciar cinco novos presídios é uma resposta para chamar a atenção porque não vai resolver nada.

Para Guaracy Mingardi, analista criminal e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a guerra nesses presídios ocorre por resistência encontrada pelo PCC para se expandir em algumas regiões do País.

— Você tem já há alguns meses uma rixa que se acirrou e virou uma guerra declarada entre o PCC e o CV [Comando Vermelho]. O PCC se expandiu bastante e encontrou resistência em alguns lugares de organizações locais e esses grupos tem tentado ou conseguido se aliar ao CV.

Segundo o analista, esse atrito iniciou a guerra entre as organizações. 

— Há algum tempo estavam tentando manter a paz. Mas a guerra foi acontecendo. E o primeiro passo foi a morte dos 18 em Roraima, em outubro. Mas isso vai continuar. Vai se espalhar.

De acordo com o advogado criminal e vice-presidente do ITTC (Instituto Terra, Trabalho e Cidadania), Guilherme Madi Rezende, o acontecido nos dois presídios é fruto do descaso com o sistema carcerário do Brasil.

— Tenho medo que isso seja o início de um movimento, espero que não seja. Mas a forma com que isso está sendo tratado aumenta essa possibilidade.

O deputado Alberto Fraga (DEM), presidente da CPI do sistema carcerário brasileiro, também faz uma previsão pessimista sobre o quadro.

— A única linguagem que eles [facções] entendem é a da violência. Se a gente não iniciar uma punição severa para esses grupos, nós teremos mortes e mais mortes todas as semanas.

Expansão e reflexo

Para os especialistas, a briga nas penitenciárias não deve chegar nos estados do Sul e Sudeste. Para Melo, as condições dos presídios no Norte e Nordeste “são tão ruins como a de São Paulo”, mas a capital paulista e o Rio de Janeiro já têm suas facções bem consolidadas e que essa disputa por mercado dentro dos presídios não deve acontecer.

Rezende diz que esse estopim é fruto da política de encarceramento e da guerra às drogas que vem sendo reafirmada pelo governo.

— A tendência é que a gente tenha cada vez mais outros focos [de rebelião]. Esse tipo de rebelião não é casual.

Mingardi alerta para o reflexo que essa guerra nas cadeias pode ter nas ruas. 

— O grande problema desse caso é que as pessoas falam que são vagabundos e que podem se matar. Isso é uma bobagem e o mais importante é que quando as organizações brigam, essa briga chega nas ruas e nas ruas estamos nós. É a população, nós que estaremos no fogo cruzado.

O analista também acredita que esse tipo e motim ocorrido no Norte não deve chegar a outras regiões do País.

— Sul e Sudeste vai ser mais a briga pelos pontos de droga, briga nas ruas. Porque no fundo é por causa de ponto de drogas e rota de tráfico. A parte do poder está sendo disputada na cadeia e fora da cadeia estão disputando os pontos de drogas.

Medidas

Segundo Melo, para lidar com motins como esses, é importante destacar a necessidade de um movimento coordenado entre governo federal e os Estados para criar uma resposta articulada para o problema que “não pode ser de uma forma violenta”.

— Tem que diminuir nossos índices de encarceramento, fazer com que a legislação seja cumprida e melhorar a assistência jurídica às pessoas que estão presas. O anúncio da construção de novos presídios é uma grande falácia.

Para Mingardi, o sistema penitenciário brasileiro é “bagunçado” e para reverter esse cenário é necessário tempo e investimento.

— No curto prazo tem que separar as organizações para controlar e evitar mortandade.

Além disso, o vice-presidente do ITTC diz que o fato de o presidente Michel Temer ter dito que a rebelião em Manaus foi “um acidente” é “sintomático”.

— Ele chama de acidente porque é a forma como ele enxerga essa questão. Ele não vê como uma relação causal com a qual ele contribuiu, analisa como um acidente.

*Colaborou: Peu Araújo, do R7

7 de Janeiro de 2017 às 08:21

Evangelho do Dia

Jesus realizou este início dos sinais em Caná da Galiléia.

Celebravam-se bodas em Caná da Galileia, e achava-se ali a mãe de Jesus. [...] Como viesse a faltar vinho, a mãe de Jesus disse-lhe: "Eles já não têm vinho”. Respondeu-lhe Jesus: "Mulher, isso compete a nós? Minha hora ainda não chegou”. Disse, então, sua mãe aos serventes: "Fazei o que ele vos disser”. [...] Jesus ordena-lhes: "Enchei as talhas de água”. Eles encheram-nas até em cima. "Tirai agora” – disse-lhes Jesus – "e levai ao chefe dos serventes”. E levaram. Logo que o chefe dos serventes provou [...], não sabendo de onde era [...] chamou o noivo e disse-lhe: "[...] tu guardaste o vinho melhor até agora”.
 

Evangelho de hoje: Jo 2,1-11

6 de Janeiro de 2017 às 10:24

No Cruzeiro, Thiago Neves e Sobis reeditarão parceria de título da Série A pelo Fluminense

Jogadores trabalharam juntos no Tricolor e tiveram sucesso em 2012


Contratado pelo Cruzeiro, o armador Thiago Neves se juntará ao atacante Rafael Sobis para reeditar a parceria que rendeu os títulos de campeão do Estadual e do Brasileiro pelo Fluminense, em 2012.

Naquela temporada, os dois jogadores tiveram papeis de coadjuvantes. O grande destaque tricolor foi o centroavante Fred, hoje no Atlético. Em 45 jogos, ele marcou 30 gols, sendo 20 somente na Série A.

Apesar de não serem as "referências" da equipe, Thiago Neves e Rafael Sobis vivenciaram bons momentos em 2012 e até contribuíram entre si em algumas ocasiões.

Na vitória do Flu sobre o Vasco por 2 a 1, no Engenhão, pela 19ª rodada do Brasileiro, Rafael Sobis participou do lance que originou o primeiro gol de Thiago Neves e sofreu a falta convertida pelo camisa 10 no segundo tento tricolor.

Já no empate com o Grêmio por 2 a 2, também no Engenhão (31ª rodada), Sobis recebeu a bola de Thiago no meio-campo, deu dois passos com a redonda dominada e, de muito longe, soltou a bomba de pé esquerdo, contando com falha do goleiro Marcelo Grohe para balançar a rede.

No Brasileiro de 2012, Thiago Neves e Rafael Sobis estiveram na mesma partida em 20 ocasiões. Foram 10 vitórias do Flu, cinco empates e cinco derrotas. Em três desses jogos, Neves foi justamente substituído por Sobis.

Ao término da competição, o Fluminense somou 77 pontos, cinco a mais que o Atlético, e levantou o troféu. Thiago Neves jogou 29 vezes, marcou cinco gols e deu oito assistências; Rafael Sobis teve 21 presenças, anotou três tentos e contribuiu com um passe para gol.

NÚMEROS

Coincidentemente, Thiago Neves e Rafael Sobis jogaram, cada um, 174 partidas pelo Fluminense. A diferença é que o armador têm mais gols: 50 a 40.

Em compensação, Sobis leva vantagem nos números gerais do Brasileiro. Em nove edições que disputou da elite nacional, o atacante alcançou 64 gols (231 jogos), contra 35 de Thiago Neves em sete oportunidades (138 jogos).

O armador e o atacante também estiveram em sintonia pela Seleção Brasileira Sub-23 que ganhou a medalha de bronze nos Jogos de Pequim, na China, em 2008. Cada um fez dois gols em seis partidas no torneio.

Apesar de existir forte concorrência - Robinho, Rafinha, Alisson, Elber, Willian e Ábila - , Neves e Sobis devem atuar lado a lado pelo Cruzeiro, que tentará, em 2017, retomar a rota das conquistas. A última taça erguida no clube celeste foi o Campeonato Brasileiro de 2014.

Números da parceria Rafael Sobis/Thiago Neves na Série A 2012:

Jogos do Fluminense: 20
Vitórias: 10
Empates: 5
Derrotas: 5
Thiago Neves titular: 17
Rafael Sobis titular: 11
Sai Thiago Neves, entra Rafael Sobis: 3
Sai Rafael Sobis, entra Thiago Neves: nenhuma
Estatísticas Thiago Neves: 29 jogos, 5 gols e 8 assistências
Estatísticas Rafael Sobis: 21 jogos, 3 gols e 1 assistência

Fonte: Super Esportes