# Notícias Gerais

16 de Março de 2017 às 11:43

Homem agride desafeto a marteladas ao ser ameaçado com faca e os dois acabam presos em Patos de Minas

Os desentendimentos entre os dois tiveram início há mais tempo e no sábado (11), eles já tinham sido conduzidos.

Dois moradores do distrito de Alagoas foram parar na delegacia após trocarem agressões. Os desentendimentos entre os dois tiveram início há mais tempo e no sábado (11), eles já tinham sido conduzidos. Os dois homens ficaram feridos nas agressões de ontem, mas recusaram atendimento e foram levados para a Delegacia da Polícia Civil de novo.

A Polícia Militar chegou ao distrito de Alagoas pouco antes das 15h. Uma moradora relatou aos policiais que Wesley Alexandre Gonçalves, de 32 anos, tentou atropelá-la com uma motocicleta. O autor informou que o motivo do desentendimento é uma dívida de R$ 70,00 que a mulher tem com ele.

O marido da vítima, Sérgio Antônio de Oliveira, de 45 anos, não gostou da atitude de Wesley e foi tirar satisfações com ele. Sérgio disse que Wesley se armou com uma faca e passou a ameaçá-lo também. Os dois entraram em luta corporal e Sérgio se armou com um martelo e desferiu golpes na cabeça e no braço de Wesley.

Diante disso, os dois homens foram presos em flagrante e conduzidos para a Delegacia da Polícia Civil. Wesley apresentava ferimentos na cabeça e no tórax. O martelo foi apreendido. A moto e a faca que Wesley supostamente teria usado não foram encontradas.

Fontee foto: Patos Hoje

16 de Março de 2017 às 09:39

Cruzeiro volta a bater Murici-AL e garante classificação à quarta fase da Copa do Brasil

Com dois gols contra e um de Sobis, Raposa goleia equipe alagoana em BH

A noite desta quarta-feira não apresentou qualquer surpresa no Mineirão. Com domínio absoluto, o Cruzeiro derrotou o Murici-AL por 3 a 0 e avançou à quarta fase da Copa do Brasil sem sustos. O time de Mano Menezes definiu o marcador com dois gols contra do adversário (Cláudio e Deysinho) e um tento de Rafael Sobis, que converteu em cobrança de pênalti. O camisa 7 marcou seu oitavo gol em competições oficiais no ano. Na reta final, Thiago Neves ainda desperdiçou uma penalidade.

Depois de avançar na Copa do Brasil, o Cruzeiro aguarda a definição de seu adversário. Os confrontos desta etapa serão definidos na sexta-feira, às 14h30, em sorteio na Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Antes de pensar no próximo rival pela competição nacional, porém, o compromisso é pelo Campeonato Mineiro. No próximo domingo, dia 19, o duelo é contra o Tombense, às 16h, no Mineirão. A partida valerá pela 8ª rodada do Estadual.

O jogo

Como nos últimos duelos disputados no Mineirão, o Cruzeiro começou intenso, muito eficiente na troca de passes e com domínio absoluto da posse de bola do meio para frente, embora pouco contundente. A chance mais clara foi aos 5’, quando Alisson recebeu excelente lançamento de Thiago Neves e escorou para Rafael Sobis. O camisa 9, porém, errou a finalização. Com linhas próximas, o time de Mano Menezes não deu espaço para o Murici trabalhar passes nos raros momentos em que o time alagoano detinha a posse da bola.     


Sem Henrique, poupado, Mano Menezes optou por escalar Hudson e perdeu um trunfo de jogos anteriores: a já tradicional “saída de três”, quando o camisa 8 se aproxima dos zagueiros para iniciar as jogadas. Assim, a Raposa contou com uma cobrança de falta, fundamento que tem ajudado muito em 2017, para abrir o placar do Mineirão. Aos 31’, Thiago Neves alçou bola na área e o zagueiro Cláudio, do Murici, desviou e marcou contra. 1 a 0. Sem diminuir o domínio, o Cruzeiro ampliou cinco minutos depois. Edson Veneno saltou nas costas de Rafael Sobis dentro da área e cometeu pênalti no camisa 7, que converteu em cobrança segura. 2 a 0.

Mesmo com classificação praticamente sacramentada, o Cruzeiro manteve o volume de jogo na volta do intervalo, criando chances e buscando ampliar o placar. Aos 12’, Alisson fez boa jogada individual, finalizou da entrada da área, mas Dias defendeu. No minuto seguinte, Thiago Neves aplicou caneta no zagueiro adversário, dentro da área, mas acabou bloqueado antes do chute. Diante do amplo domínio, Mano Menezes aproveitou para dar descanso ao atacante Rafael Sobis e ao volante Ariel Cabral. Ramón Ábila e Lucas Silva entraram no jogo.

Sina de Neves

Thiago Neves teve papel destacado nos dois tempos da partida. Muito participativo, foi fundamental na criação das jogadas, inclusive na do primeiro tento celeste, atuou por 90 minutos e finalizou ao gol em pelo menos sete cinco ocasiões, sempre parando nas mãos do goleiro. Mas a noite não era mesmo para o meia-atacante marcar o primeiro gol com a camisa do Cruzeiro.

Aos 31’, o camisa 30 sofreu pênalti e recebeu ordem de Mano Menezes para realizar a cobrança. Mais uma vez, porém, quis o destino, o meia-atacante parou nas mãos Dias, seu algoz nesta noite. Apesar das tentativas frustradas de Thiago Neves, principalmente na segunda etapa, nada ameaçou o domínio do Cruzeiro na reta final da partida. Aos 38’, em outro gol contra, desta vez de Deysinho, a Raposa fechou o marcador e garantiu vaga na quarta fase da Copa do Brasil. 3 a 0.   

CRUZEIRO 3X0 MURICI-AL

CRUZEIRO
Rafael; Ezequiel, Leo, Kunty Caicedo e Diogo Barbosa; Hudson e Ariel Cabral (Lucas Silva); Thiago Neves, Robinho (Elber) e Alisson; Rafael Sobis (Ramón Ábila). Técnico: Mano Menezes

MURICI-AL
Dias; Cláudio, Sinval e Edson Veneno; Paulo Sérgio, Edvaldo Rambo, Gueba (Thalison), Júnior Murici, Deysinho e Patrick; Paulo Victor (Katê). Técnico: Roberval Davino

Gols: Cláudio (contra, aos 31’1ºT), Rafael Sobis (aos 36’1ºT) e Daysinho (contra, aos 38'2ºT)
Cartões amarelos: Patrick (Murici)

Público pagante: 6.963
Público presente: 9.106
Renda: R$106.677,00

Motivo: jogo de volta da terceira fase da Copa do Brasil
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data e horário: quarta-feira, 15 de março de 2017, às 21h45
Árbitro: Sávio Pereira Sampaio (DF)

Fonte: Super Esports

16 de Março de 2017 às 09:35

Novos vazamentos da lista de Janot envolvem governadores de cinco estados

Lista obtida pelo Jornal Nacional inclui o governador de Minas, Fernando Pimentel. Um ministro, cinco deputados e quatro senadores também estão relacionados

Novos vazamentos do conteúdo das delações dos executivos e ex-executivos da empreiteira Odebrecht apontam cinco governadores de estado, um ministro, quatro senadores e cinco deputados, além de políticos que não gozam de foro privilegiado. O governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), aparece ao lado de outros quatro: Beto Richa (PSDB), do Paraná, Tião Viana (PT), do Acre, Luiz Fernando Pezão (PMDB), do Rio de Janeiro, e Renan Filho (PMDB), de Alagoas. 

A nova lista foi divulgada na noite desta quarta-feira pelo Jornal Nacional e envolve 22 novos nomes que estariam relacionados nos pedidos de investigação que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal na terça-feira.

Além dos cinco ministros cujos nomes já haviam vazado na terça-feira, aparece, desta vez, o nome de Marcos Pereira (PRB-RJ), da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Os senadores que engrossam a lista são Lindbergh Farias (PT-RJ), Jorge Viana (PT-AC), Marta Suplicy (PMDB-SP) e LÍdice da Mata (PSB-BA).
 

Na relação de deputados citados pelos delatores, estão agora José Carlos Aleluia (DEM-BA), Marco Maia (PT-RS), Andres Sanchez (PT-SP), Paes Landim (PTB-PI) e Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).

Sem foro privilegiado

Entre os novos nomes também há políticos e outras pessoas que não gozam de foro privilegiado, como o prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (PSDB-SP); Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), ex-ministro do governo Temer; o candidato derrotado a governador de São Paulo em 2014, Paulo Skaf (PMDB-SP); o ex-tesoureiro da campanha de Dilma Rousseff e atual prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT-SP) e Anderson Dornelles, ex-assessor direto da ex-presidente Dilma Rousseff. Além deles, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB-RJ), que se encontram presos atualmente. 

Corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro, fraude, formação de cartel e caixa 2 são exemplos de crimes a que se referem os pedidos de investigação enviados ao STF e que estão em fase de cadastro e protocolo, antes de chegarem ao gabinete do ministro Luiz Edson Fachin, que é o relator da Lava-Jato no Tribunal. 

O ministro não tem prazo para tomar decisão sobre a abertura de inquéritos ou sobre o fim do sigilo das delações. 

Confira os nomes que já vazaram da lista do procurador Rodrigo Janot e suas defesas:

Ministro

Marcos Pereira (PRB), da Indústria e Comércio Exterior. Disse que o PRB teve as contas aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Governadores

Renan Filho (PMDB), de Alagoas: declarou que toda doação recebida na campanha foi legal.

Luiz Fernando Pezão (PMDB), do Rio: disse desconhecer o teor do pedido de Janot.

Fernando Pimentel (PT), de Minas: não se manifestou.

Tião Viana (PT), do Acre: não se manifestou.

Beto Richa (PSDB), do Paraná: afirmou que desconhece o contexto em que é citado e que doações foram declaradas.

Senadores

Lindbergh Farias (PT-RJ): declarou que as investigações vão esclarecer os fatos e que o arquivamento é único desfecho possível.

Jorge Viana (PT-AC): não respondeu aos contatos.

Marta Suplicy (PMDB-SP): não respondeu aos contatos.

Lídice da Mata (PSB-BA): disse que não foi notificada oficialmente e afirmou ter confiança de que tudo será esclarecido.

Deputados

Marco Maia (PT-RS): disse desconhecer o teor do pedido de Janot e repudiar a "divulgação seletiva de informações". Afirmou que só recebeu contribuições legais.

Andres Sanchez (PT-SP): negou irregularidades e afirmou que não há provas contra ele.

Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA): não se manifestou.

José Carlos Aleluia (DEM-BA): disse que só recebeu doações legais e declaradas à Justiça.

Paes Landim (PTB-PI): afirmou que todas as doações recebidas foram legais.

Prefeitos

Duarte Nogueira (PSDB), de Ribeirão Preto: declarou que todas as contas de campanha foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Edinho Silva (PT), de Araraquara: afirmou que sua conduta como coordenador financeiro da campanha de Dilma se deu dentro da legalidade e de forma ética.

Outros

Geddel Vieira Lima (PMDB), ex-ministro: não se manifestou.

Sérgio Cabral (PMDB), ex-governador do Rio: informou que só vai se manifestar quando for notificado oficialmente.

Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara: disse que as delações da Lava Jato não têm sido amparadas em provas.

Paulo Skaf (PMDB-SP), presidente da Fiesp: disse que todas as doações de campanha em 2014 foram legais e aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Anderson Dornelles, ex-assessor da ex-presidente Dilma Rousseff: não foi localizado.

Fonte: Estado de Minas

16 de Março de 2017 às 09:29

Governo estuda aumentar impostos sobre combustíveis para fechar contas

Medida garantiria arrecadação extra de R$ 3 bilhões em 2017

A elevação de PIS e Cofins sobre a gasolina e diesel é a alternativa de alta de tributo considerada mais viável pela área técnica do governo para ajudar no cumprimento da meta fiscal deste ano. A medida pode garantir uma arrecadação extra de R$ 3 bilhões em 2017, apurou o jornal O Estado de S. Paulo.

Apesar da promessa do presidente Michel Temer de não aumentar a carga tributária no seu governo, a alta de tributos está na mesa de discussão da equipe econômica como uma das opções para ajudar a tapar o buraco de R$ 40 bilhões nas contas do governo. É o que falta de receita para fechar o Orçamento dentro da meta fiscal, que prevê déficit de R$ 139 bilhões nas contas.

Nesta quarta-feira (15), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o corte no Orçamento, que deve ser anunciado na próxima semana, poderá ser reduzido ao longo do ano com o aumento de impostos. De acordo com ele, com o relatório de receitas e despesas, também será anunciado se haverá ou não a necessidade de aumento de impostos e quais as propostas do governo para a alta de tributos.

Entre as propostas entregues pela área técnica estão também o aumento de IOF sobre algumas operações de câmbio e de crédito e a reoneração da folha de pagamento. No entanto, esta última é considerada bem mais complexa, pois depende de aprovação de projeto de lei ou medida provisória. O aumento de PIS e Cofins sobre combustíveis e do IOF pode ser feito por decreto, o que evitaria discussões no Congresso neste momento conturbado da política. A elevação da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide, o imposto sobre gasolina), além de ter de ser aprovada pelos parlamentares, só poderia entrar em vigor depois de três meses da data da aprovação.

A insuficiência de caixa terá de ser coberta com corte de despesas, receitas extraordinárias já esperadas com os programas de repatriação e de regularização tributária e, agora, com a provável alta de impostos. Segundo Meirelles, o governo trabalha com a expectativa de arrecadar R$ 7 bilhões para União com a repatriação.

A equipe econômica não quer correr risco de ter de mudar a meta fiscal ao longo do ano. Mas enfrenta a dificuldade de ter de trabalhar num ambiente de grande incerteza de receitas — inclusive da arrecadação com concessões e privatizações — prevista no Orçamento aprovado pelo Congresso. O aumento de impostos pode reduzir a necessidade de um corte maior.

O jornal apurou que foram apresentadas várias propostas de aumento de impostos, mas a definição só ocorrerá na semana que vem, depois que Meirelles voltar da reunião do G-20, na Alemanha. Há diversas propostas circulando. A estratégia é que o contingenciamento fique mais próximo de R$ 30 bilhões, disse uma fonte da equipe econômica, acrescentando que os valores estão cercados ainda de uma "margem de grande incerteza".

IOF

A elevação do IOF (Imposto de Operações Financeiras) sobre algumas operações de câmbio, que hoje já são tributadas em 0,38%, e de crédito, que hoje não são tributadas, também estão em análise. Entre elas, crédito rural e do BNDES. Elas poderão garantir mais R$ 1,2 bilhão este ano, se começarem a vigorar em 1.º de abril. Em 12 meses, a medida garante cerca de R$ 1,6 bilhão.

Para o economista Raul Velloso, esse é o pior momento para aumento de impostos, pois iria punir alguns segmentos da sociedade por uma busca de cumprimento da meta de déficit primário que não justifica o esforço, além de destoar da política anunciada anteriormente, de estabelecer um limite de gastos por parte do governo.

Na contramão, o professor da EPGE/FGV Antonio Carlos Porto Gonçalves diz que um aumento pontual de impostos poderia acelerar a política de corte de juros sem minar a volta da disposição para o consumo da sociedade ou a volta do investimento.

Fonte: Estadão 

16 de Março de 2017 às 09:22

Carta-bomba explode na sede do FMI em Paris

Uma pessoa ficou ferida; polícia realiza buscas

Uma carta bomba explodiu na manhã desta quinta-feira (16) dentro do prédio do FMI (Fundo Monetário Internacional) em Paris, na França. Uma pessoa ficou levemente ferida, de acordo com policiais locais.

O departamento de polícia parisiense afirma em sua conta do Twitter que realiza buscas no local e também no prédio do Banco Mundial após um funcionário se ferir enquanto abria um pacote suspeito.

O incidente ocorre a seis semanas da eleição presidencial no país. A suspeita é de que haja ligações com o grupo anarquista grego Conspiração das Células de Fogo, que reivindicou a autoria de um ataque com carta-bomba enviada ao ministro das finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, na quarta-feira (16). 

Fonte:R7

16 de Março de 2017 às 08:13

Evangelho do Dia

Tu recebeste teus bens durante a vida e Lázaro os males; agora ele encontra aqui consolo e tu és atormentado.

"Havia um homem rico que se vestia de púrpura e linho finíssimo, e que todos os dias se banqueteava e se regalava. Havia também um mendigo, por nome Lázaro, todo coberto de chagas, que estava deitado à porta do rico. [...] Ora, aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos ao seio de Abraão. Morreu também o rico e foi sepultado. E, estando ele nos tormentos do inferno, levantou os olhos e viu, ao longe, Abraão e Lázaro no seu seio. Gritou, então: Pai Abraão, compadece-te de mim e manda Lázaro que molhe em água a ponta de seu dedo, a fim de me refrescar a língua [...]. Abraão, porém, replicou: Filho, lembra-te de que recebeste teus bens em vida, mas Lázaro, males [...]”.

Evangelho de hoje: Lc 16,19-31

15 de Março de 2017 às 09:12

Lista de Janot cita Lula, Dilma, Aécio e ao menos cinco ministros de Temer

Presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira, também estão na lista

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu para investigar ao menos cinco ministros dos 29 ministérios do governo de Michel Temer (PMDB). São eles Eliseu Padilha (PMDB), da Casa Civil, Moreira Franco (PMDB), da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Kassab (PSD), das Comunicações, Bruno Araújo (PSDB), das Cidades, e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), das Relações Exteriores.

Além disso, a lista de Janot inclui os ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva e os ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega, mas como os petistas perderam o foro privilegiado os casos devem ser remetidos à primeira instância.

No STF, a decisão pela abertura de inquérito ou não caberá ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte.

A reportagem apurou também que além dos ministros, Temer deve ver três importantes aliados no Congresso na mira das autoridades. Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), além dos senadores Edison Lobão (PMDB), Romero Jucá (PMDB), Aécio Neves (PSDB) e José Serra (PSDB), estão entre os alvos dos 83 inquéritos cuja abertura foi pedida pelo PGR.

No total, Rodrigo Janot enviou 320 pedidos ao STF com base nas delações premiadas de 78 executivos da Odebrecht. São 83 pedidos de abertura de inquéritos, 211 declínios de competência para outras instâncias da Justiça, nos casos que envolvem pessoas sem prerrogativa de foro, sete pedidos de arquivamentos e 19 outras providências.

Segundo a PGR, "não é possível divulgar detalhes sobre os termos de depoimentos, inquéritos e demais peças enviadas ao STF por estarem em segredo de Justiça." Por isso, Rodrigo Janot, em seus pedidos, também solicitou ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, a retirada do sigilo desse material considerando a necessidade de promover transparência e garantir o interesse público.

Fonte: Estadão

15 de Março de 2017 às 07:18

Evangelho do Dia

Eles o condenarão à morte.

Afluía o povo e ele continuou: "Esta geração é uma geração perversa; pede um sinal, mas não se lhe dará outro sinal senão o sinal do profeta Jonas. Pois, como Jonas foi um sinal para os ninivitas, assim o Filho do Homem o será para esta geração. A rainha do meio-dia se levantará no dia do juízo para condenar os homens desta geração, porque ela veio dos confins da terra ouvir a sabedoria de Salomão! Ora, aqui está quem é mais que Salomão. Os ninivitas se levantarão no dia do juízo para condenar os homens desta geração, porque fizeram penitência com a pregação de Jonas. Ora, aqui está quem é mais do que Jonas”.

 

Evangelho de hoje: Lc 11,29-32

15 de Março de 2017 às 22:58

Mulher que foi prestar socorro em acidente na BR-365 e foi atingida por caminhão morre no Hospital Regional

A morte dela foi confirmada pela equipe médica e a família doou as córneas

Faleceu no início da tarde desta terça-feira (14/03) a vítima de um acidente de transito na BR-365, Maria Salomé de Souza. A morte dela foi confirmada pela equipe médica e a família doou as córneas. A mulher foi vítima de um acidente na noite de sábado, quando parou para prestar socorro a outro veículo que havia capotado na pista.

Leia mais sobre o acidente: 
- Após acidente, caminhão atinge carros de pessoas que pararam para prestar socorro; 

O corpo de Maria Salomé de Souza foi encaminhado para o IML – Instituto Médico Legal de Patos de Minas e depois liberado aos familiares.