# Notícias Gerais

11 de Setembro de 2020 às 09:45

Ministra diz que governo tomou medidas para controlar preço do arroz

Tereza Cristina garantiu abastecimento do produto nas prateleiras

Continue lendo após anúncio
 

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou no dia 10/09 que o governo tomou as medidas necessárias para tentar conter a alta no preço do arroz e evitar um desabastecimento do produto nas prateleiras dos supermercados. 

"As medidas que podiam ser tomadas, foram tomadas, para fazer a estabilidade e o equilíbrio para esse produto", disse em um vídeo publicado em suas redes sociais. 

"O Brasil abriu mão, tirou a alíquota de importação, para que produto de fora pudesse entrar e trazer um equilíbrio para os preços. Abrimos somente uma cota, porque não temos necessidade de muito arroz, mas isso é uma cota de reserva, para que possamos ter a tranquilidade de que o preço vai voltar, vai ser equilibrado, e que o produto continuará na gôndola para todos os brasileiros", acrescentou.

Muitas pessoas estão comentando sobre o preço do arroz e a possibilidade de desabastecimento. Fiquem tranquilos, não há risco de faltar arroz. Quanto ao preço,informo que o valor deverá recuar, em breve,com as medidas tomadas pelo @govbr @jairbolsonaro. O @Mapa_Brasil está atento pic.twitter.com/Te3GuY87bN

— Tereza Cristina (@TerezaCrisMS) September 10, 2020

Taxa de importação

Ontem (9), a Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculada ao Ministério da Economia, decidiu zerar a alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado. A isenção tarifária valerá até 31 de dezembro deste ano.

 

A redução temporária está restrita à cota de 400 mil toneladas, incidente sobre o arroz com casca não parbolizado e arroz semibranqueado ou branqueado, não parbolizado, de acordo com a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM). 

Até então, a Tarifa Externa Comum (TEC) aplicada sobre o produto era de 12%, para o arroz beneficiado, e 10% para o arroz em casca, válida apenas para países de fora do Mercosul. Dentro do bloco econômico regional, que reúne Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, a tarifa é de importação já é zero.

Tailândia e EUA

Mais cedo, em uma entrevista para a Rádio Gaúcha, Teresa Cristina comentou que a maior parte do arroz que será importado sem tarifa deve vir da Tailândia e dos Estados Unidos, que produzem o mesmo tipo de produto consumido no Brasil.

Ainda segundo a ministra, no vídeo divulgado em suas redes sociais, o preço do arroz nos últimos anos vinha abaixo do que seria seu valor de mercado, por causa de uma queda na produção que afetou o tamanho da área produzida no país.

"No passado, o arroz teve um preço muito baixo, durante muitos anos. Nós tivemos uma queda na área de produção e o arroz, então, hoje, tem um preço mais alto. Mas ele está na prateleira, vai continuar nas prateleiras", afirmou. 

Alta nos preços

Desde o início do ano, o preço do arroz acumula alta de mais de 21,2% nas prateleiras, segundo a Associação Paulista de Supermercados (Apas).

De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP), o preço da saca de 50 kg de arroz, vendido pelo produtor, variou mais de 107% nos últimos 12 meses, chegando próximo a R$ 100. 

Os motivos para a alta são uma combinação da valorização do dólar frente ao real, o aumento da exportação e a queda na safra. Em alguns supermercados, o produto, que custava cerca de R$ 15, no pacote de 5 kg, está sendo vendido por até R$ 40.

FotoMarcello Casal Jr fonte Agência Brasil

 

11 de Setembro de 2020 às 18:20

Código de Defesa do Consumidor faz 30 anos; compras online crescem

Código tenta se adaptar ao crescimento do comércio eletrônico

Continue lendo após anúncio
 

Fonte: Agência Brasil foto: Marcello Casal

O Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/1990), que completa 30 anos hoje (11), é considerado uma legislação abrangente para as relações de consumo, mas, passadas três décadas, houve mudanças substanciais na forma de comprar por meio do comércio eletrônico. Segundo especialistas, uma atualização seria bem-vinda, embora o código tenha seu texto adaptado ou usado, de forma indireta, outras legislações para proteger os direitos dos consumidores.

O código é anterior ao início da popularização da internet no Brasil. Como destaca o coordenador do MBA de Gestão de Varejo da Fundação Getulio Vargas (FGV), Ulysses Reis, quando a legislação foi criada, não se tinha como prever que a mudança nos hábitos de consumo seria tão grande.

Reis destaca como o processo de compra se modificou nos últimos anos e que o fenômeno se acelerou com a pandemia de covid-19. Com as medidas de isolamento social para evitar o contágio pelo novo coronavírus, as lojas do comércio de rua e dos shopping centers tiveram que ser fechadas, o que levou muita gente a recorrer ao varejo digital.

“O consumidor antigamente ia à loja pesquisar, tomava a decisão e comprava o produto. Esse novo processo de compra começa na internet onde ele obtém informações sobre produtos e serviços, compara preços, vai às redes sociais ouvir opiniões e reclamações. Depois, ele pode ir a uma loja física para experimentar produtos e serviços e negociar preços e condições com os vendedores com o que ele viu online. O consumidor pode comprar na loja física ou comprar online depois”, disse Reis.

“Esse comportamento, essa jornada do consumidor, era grande entre os mais jovens antes da pandemia. Agora, depois da pandemia, as pessoas de mais idade também adotaram esse comportamento”, avalia o professor.

Atualização

Os especialistas ouvidos pela Agência Brasil indicaram que uma atualização do código é bem-vinda. Para o professor Ulysses Reis, a atualização da norma deve levar em conta a expansão dos canais de venda por meio de sites, aplicativos, redes sociais. “O código não prevê essas situações de comprar nesses diversos canais de venda. Ele não prevê quando o consumidor está migrando de um canal de vendas para ou outro e que a empresa tem que resolver problemas de contratos e atendimentos nos diferentes canais de venda”.

O diretor jurídico do Procon-RJ, Henrique Neves, disse que o Decreto 7.962/2013 regulamentou algumas situações relativas ao comércio eletrônico. Segundo Neves, diversos artigos do código são aplicados por equiparação ao varejo digital. Ele também destaca que o Marco Civil da Internet e a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais atualizam de forma indireta o código. “A gente vai combinando essas novas legislações para poder utilizar no direito do consumidor”.

Quanto ao comércio eletrônico, Neves afirmou ser importante melhorar as regras contras as fraudes. “Consumidores e fornecedores são, muitas vezes, vítimas de sites falsos. É uma das reclamações que a gente tem aqui e tem dificuldade em resolver”.

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Impulso

O comércio online ganhou impulso durante a pandemia do novo coronavírus. O e-commerce brasileiro faturou 56,8% a mais nos oito primeiros meses de 2020 em comparação com igual período do ano passado, segundo pesquisa realizada pelo Movimento Compre&Confie em parceria com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

De acordo com o levantamento, o aumento do faturamento foi possível porque houve crescimento de 65,7% no número de pedidos, de 63,4 bilhões para 105,06 bilhões. Segundo a ABComm, desde o início da pandemia mais de 135 mil lojas aderiram às vendas pelo comércio eletrônico para continuar vendendo e mantendo-se no mercado.

Estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo mostrou que os brasileiros aumentaram suas compras online, passaram a usar meios digitais de pagamentos e devem continuar com esses hábitos de consumo no pós-pandemia. Segundo os dados, 61% dos clientes que compraram online durante a quarentena aumentaram o volume de compras devido ao isolamento social e 70% disseram que pretendem continuar comprando mais pela internet do que faziam antes da covid-19.

Para o diretor jurídico da ABComm, Guilherme Martins, houve uma evolução tecnológica muito grande nos últimos 30 anos que permitiu esse modelo atual de varejo digital em termos de segurança do processo, expansão dos meios de pagamento, acessibilidade e aspecto logístico.

“Com a pandemia, houve um cenário disruptivo sem volta. Até aqueles que não eram habituados a comprar em ambiente eletrônico se viram em alguma situação obrigados a fazê-lo. Eficiência, preço e segurança acabaram sendo determinantes para mudar essa mentalidade, atrelada à questão tecnológica e ao apoio jurídico que vem por trás disso, que é a regulamentação dos direitos do consumidor”, afirmou Martins.

-Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Cuidados

Com essa migração para o ambiente virtual, os consumidores devem tomar cuidados para não terem dor de cabeça. O diretor jurídico do Procon-RJ, Henrique Neves, orienta sobre o que o consumidor precisa observar na hora de comprar pela internet.

“O consumidor tem que verificar se o site é seguro. Ele pode procurar na página o CNPJ da empresa ou o CPF, no caso de pessoa física, e fazer uma pesquisa no site da Receita Federal para verificar se o cadastro está ativo. Em alguns sites, como nas plataformas consumidor.gov.brreclameaqui, e nos Procons estaduais, pode fazer um busca para saber se tem reclamações sobre não entrega de produtos, por exemplo”, disse Neves.

Outra orientação é verificar se no site consta o endereço físico da empresa, o número de telefone, se tem serviço de atendimento ao consumidor (SAC). “O consumidor tem que ficar atento a preços muito abaixo do normal, ele deve ligar o alerta. Se receber proposta de serviço ou produto pelo telefone ou pelo WhatsApp, deve entrar no site da empresa, ver se ela é confiável. O consumidor tem que procurar conhecer aquele fornecedor no meio eletrônico de forma a saber se é seguro ou não fazer contrato”, afirmou o diretor.

Neves também explicou que as plataformas que vendem produtos de outras empresas devem responder de forma solidária, caso haja algum problema na entrega do produto.

A B2W Digital, por exemplo, que detém as marcas Americanas, Submarino, Shoptime e Sou Barato, explicou sua política de atuação em casos de atraso na entrega: a empresa garante a entrega do produto ou realiza o cancelamento da compra e o reembolso do valor pago. “As lojas parceiras que vendem nos sites da B2W são responsáveis pela entrega, descrição, informações técnicas e garantia do fornecedor dos produtos que vendem, mas a companhia faz a intermediação para garantir que todos os produtos comprados sejam entregues e eventuais questões sejam resolvidas”, diz a empresa.

Edição: Fábio Massalli

11 de Setembro de 2020 às 18:27

Em Operação Conjunta entre estados PC prende por estelionato em Goiânia homem que vendeu pacotes de viagens que não acorreram em Araxá

Segundo a PC as viagens não ocorreram gerando danos patrimoniais e obtenção de vantagem ilícita pelo mesmo.

Continue lendo após anúncio
 

ARAXÁ (MG) - A Polícia Civil de Minas Gerais, por intermédio da 2ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Araxá/MG,  cumpriu mandado de prisão preventiva emitido em desfavor de homem 41 anos, em diligência efetuada pelo delegado Christiano Dib na cidade de Goiânia/GO, com apoio dos policiais da 9º Distrito Polícia Civil de Goiânia. 

O investigado responde em Araxá (MG) por múltiplos crimes de estelionato cometidos no final no ano de 2019 e início de 2020 relativos à pacotes de viagens vendidos com destino a Cabo Frio, contudo, as viagens não ocorreram gerando danos patrimoniais e obtenção de vantagem ilícita pelo mesmo.

Trabalharam nesta ação as equipes de Minas e Goiás:

Equipe Araxá (MG)

Delegado Regional : Vitor Hugo Heisler
Delegado Responsável : Christiano Dib
Escrivã : Lidiane Goretti 
Investigadores: Leandro Baldisseri, Kaio Freitas e Walter. 

Equipe Goiânia: 
Dr. Christiano Dib, 
Dr. Washington 
Agentes: Henrique e Géser.

11 de Setembro de 2020 às 18:30

Militares apreendem 91 barras de maconha e prendem um homem no  Bairro Morumbi em Uberlândia

Apreendidos celulares e balanças de precisão

Continue lendo após anúncio
 

UBERLÂNDIA (MG) - No dia 10/09 por volta das 18h24min, na Rua Videira, Bairro Morumbi, a guarnição policial militar, recebeu informações vindas de um morador do bairro sobre uma residência que seria utilizada para acondicionar e comercializar entorpecentes (maconha).

De posse de todas as informações, a guarnição foi até o endereço do fato onde viu, pela janela, várias barras de substâncias semelhante a maconha, além do odor característico que exalava do interior imóvel.

Os policiais realizaram buscas no interior da casa e apreenderam 83 barras de maconha, mais 08 tabletes grandes da mesma substância, duas balanças de precisão e uma faca com resquícios de uma substancia semelhante a maconha.

Enquanto os militares realizavam buscas no interior da residência, apareceu no imóvel o autor, de 25 anos, que ao perceber a presença dos militares saiu correndo. Contudo, foi detido e preso.

Durante a fuga, o autor dispensou dois celulares e uma balança de precisão, que foram apreendidos.

O autor afirmou que é o proprietário da residência onde estavam os materiais, bem como assumiu a propriedade de todo material apreendido. Disse ainda que estava comercializando as substância para "levantar um dinheiro'. Foi entregue, juntamente com o material, na delegacia.

11 de Setembro de 2020 às 18:35

Homem é preso em Uberaba com tabletes de crack, totalizando 4.210Kg

Autor não foi conduzido ao UPA para atendimento médico devido sua integridade física estar preservada e devido a pandemia Covid-19.

Continue lendo após anúncio
 

UBERABA (MG) - Durante patrulhamento Tático Móvel, no dia 10/09, as 09h23m, os militares receberam informações oriundas de fonte anônima que um homem de 37 anos teria acabado de receber uma quantidade considerável de material entorpecente crack em barras e que estaria tentando comercializar o produto próximo ao Hospital Escola, na rua Getúlio Guarita nº 357.

Os militares se deslocaram local da denúncia, na Avenida Getulio Guarita, Nossa Senhora Da Abadia - Uberaba / MG, onde em via pública abordaram o suspeito que demonstrou bastante nervosismo. Foi procedida busca pessoal e com ele encontrado a quantia de R$577,00 em notas diversas. Questionado acerca da denúncia, colaborou com o serviço policial, confirmando que tinha recebido o material entorpecente e que havia em seu deixado em seu apartamento dentro do seu guarda roupas em uma mochila de cor vermelha com cinza, em sua casa, situada na avenida Tristão de Castro.

Os militares se deslocaram para o apartamento do suspeito que franqueou acesso a equipe policial e, conforme próprio relato do autor, o material foi localizado no guarda roupas de seu quarto particular.

Após buscas, foram localizados 4.210Kg de crack, e autor foi preso.

Indagado a respeito de quem teria entregue o material, o autor optou em não denunciar com medo de represálias. Indagado a respeito se havia mais algum material ilícito no local, disse que não.

Por fim, foi dado voz de prisão em flagrante delito ao autor pelo crime de tráfico de drogas, respeitados seus direitos constitucionais e apresentado a Polícia Judiciária de plantão para providências legais subsequentes.

Autor não foi conduzido ao UPA para atendimento médico devido sua integridade física estar preservada e devido a pandemia Covid-19.

Com informações da Polícia Militar. 

10 de Setembro de 2020 às 17:10

Ao vivo: Fux toma posse como presidente do Supremo Tribunal Federal

Magistrado toma posse após 9 anos de atuação e 77 mil decisões

O Supremo Tribunal Federal (STF) passa a ser presidido, a partir de hoje (10), por Luiz Fux. Com 9 anos de atuação na cúpula do Poder Judiciário brasileiro, o magistrado nascido no Rio de Janeiro já emitiu mais de 77 mil decisões e despachos em processos diversos - desde a Lei da Ficha Limpa ao caso de extradição de Cesare Battisti, italiano condenado por assassinatos na década de 1970.

Luiz Fux terá como vice-presidente Rosa Weber, que iniciou a carreira como juíza do trabalho. O presidente da república, Jair Bolsonaro, confirmou presença na cerimônia de abertura, que acontece no STF e será transmitida pela internet. Presencialmente, cerca de 50 convidados atenderão à posse. Para a transmissão online, cerca de 4 mil pessoas foram convidadas.

Perfil

Nascido em 1953 no Rio de Janeiro, Fux formou-se em direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) em 1976. Dois anos depois, passou a atuar como promotor de Justiça. Em 1983, ele ingressou na magistratura ao passar em primeiro lugar no concurso para juiz estadual.

Fux atuou também como juiz eleitoral, antes de ser nomeado desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), em 1997. Tornou-se ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em 2001, por indicação do então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Ele assumiu uma das 11 cadeiras no Supremo Tribunal Federal (STF) em março de 2011, após ser indicado pela então presidente Dilma Rousseff na vaga deixada por Eros Grau, que se aposentara. 

Ao longo da carreira, sobretudo nos dez anos em que esteve no STJ, Fux notabilizou-se pela especialização em direito civil, tendo coordenado o grupo de trabalho do Congresso que resultou na reforma do Código de Processo Civil (CPC), sancionada em 2015. Na área penal, em julgamentos da Lava Jato, Fux costuma votar mais alinhado às posições do Ministério Público.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, participou hoje (9) da última sessão no comando da Corte. Após encerrar mandato de dois anos, Toffoli será substituído amanhã (10) pelo ministro Luiz Fux . A posse está marcada para às 16h.

Durante a sessão, Toffoli recebeu homenagens dos colegas da Corte, da Procuradoria-Geral da República (PGR) e de outras entidades. A homenagem foi acompanhada pelo presidente Jair Bolsonaro, pelos ministros da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, e pelo o advogado-geral da União, José Levi do Amaral.

Fonte:  Agência Brasil

10 de Setembro de 2020 às 16:35

Evangelho do Dia

Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.
Naquele tempo, 6 27 falou Jesus aos seus discípulos: “Digo-vos a vós que me ouvis: amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam,
28 abençoai os que vos maldizem e orai pelos que vos injuriam.
29 Ao que te ferir numa face, oferece-lhe também a outra. E ao que te tirar a capa, não impeças de levar também a túnica.
30 Dá a todo o que te pedir; e ao que tomar o que é teu, não lho reclames.
31 O que quereis que os homens vos façam, fazei-o também a eles.
32 Se amais os que vos amam, que recompensa mereceis? Também os pecadores amam aqueles que os amam.
33 E se fazeis bem aos que vos fazem bem, que recompensa mereceis? Pois o mesmo fazem também os pecadores.
34 Se emprestais àqueles de quem esperais receber, que recompensa mereceis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para receberem outro tanto.
35 Pelo contrário, amai os vossos inimigos, fazei bem e emprestai, sem daí esperar nada. E grande será a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo, porque ele é bom para com os ingratos e maus.
36 Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso.
37 Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados;
38 dai, e dar-se-vos-á. Colocar-vos-ão no regaço medida boa, cheia, recalcada e transbordante, porque, com a mesma medida com que medirdes, sereis medidos vós também”.
Palavra da Salvação.

Evangelho - Lucas 6,27-38
 

15 de Setembro de 2020 às 16:47

Nota de falecimento PATOS DE MINAS: Sra. Maria Vieira Soares (Lola) aos 84 anos

Cerimônia Fúnebre restrita à Família no Velório Príncipe da Paz

Faleceu no dia 10/09 em Patos de Minas - Sra. Maria Vieira Soares (Lola) aos 84 anos.

Deixa o esposo: Baltazar Soares Pereira

Deixa os filhos: Maria Eunice, Marli e Marcelo.

Deixa os genros: Cesar Fortunato e Valdir Bernardes, a nora Cristiane Santos, os netos Gessica, Stephany e Dhayer, os irmãos e demais parentes.

Foi sendo velada no velório Príncipe da Paz, rua Ouro Preto, 798 bairros Varzea e sepultada dia 10/09/2020 (quinta-feira), cerimonial acontecerá de 08h00min até às 12h00min e será restrito conforme Decreto Municipal.no sepultamento no Cemitério de Santa Cruz.

Informou: Funerária São Pedro e Velório Príncipe da Paz.

Site: www.grupofsp.com.br

10 de Setembro de 2020 às 10:52

Síndrome associada à covid-19 já atingiu 197 crianças e adolescentes

Maioria das vítimas no Brasil tem menos de 10 anos

Continue lendo após anúncio
 

Fonte: Agência Brasil foto: Peter Ilicciev

Pelo menos 197 crianças e adolescentes brasileiros apresentaram, até o fim de agosto, uma série de problemas de saúde que, juntos, podem caracterizar uma nova doença potencialmente associada a covid-19, a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica.

De acordo com o Ministério da Saúde, do total de crianças, 140 tinham menos de 10 anos no momento em que adoeceram. Ainda segundo a pasta, a síndrome pode ter causado a morte de pelo menos 14 pacientes com idades entre 0 e 19 anos no período de maio a agosto deste ano.

Os óbitos notificados foram registrados em oito estados: Pará (3); Rio de Janeiro (3); Ceará (2); Paraíba (2); Bahia (1); Pernambuco (1); Piauí (1); e São Paulo (1). A coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, Janini Ginani, lembrou que as mortes em questão estão “sob investigação”, já que várias outras síndromes podem se sobrepor, dificultando o diagnóstico.

Segundo o último balanço, até o dia 26 de agosto, o maior número (41) de notificações da nova síndrome vinha do Ceará. Em seguida estão Pará (24); Rio de Janeiro (22); Distrito Federal (19); São Paulo (19); e Bahia (11). Também foram registrados casos em Alagoas (9); Espírito Santo (8); Minas Gerais (5); Paraíba (6); Pernambuco (9); Piauí (6); Rio Grande do Norte (9); e Rio Grande do Sul (9).

Ontem (8), entretanto, o governo de Pernambuco anunciou que os casos da síndrome no estado já somam 16, incluindo uma morte.

UF NÚMERO TOTAL DE CASOS NÚMERO DE ÓBITOS
Acre - -
Alagoas 9 -
Amapá - -
Amazonas - -
Bahia 11 1
Ceará 41 2
Distrito Federal 19 -
Espírito Santo 8 -
Goiás - -
Maranhão - -
Minas Gerais 5 -
Mato Grosso do Sul - -
Mato Grosso - -
Pará 24 3
Paraíba 6 2
Pernambuco 9 1
Piauí 6 1
Paraná - -
Rio de Janeiro 22 3
Rio Grande do Norte 9 -
Rondônia - -
Roraima - -
Rio Grande do Sul 9 -
Santa Catarina - -
Sergipe - -
São Paulo 19 1
Tocantins - -
Brasil 197 14

Monitoramento

Embora se caracterize por sintomas diversos, a síndrome está frequentemente associada à febre persistente, acompanhada de pressão baixa, conjuntivite, manchas no corpo, diarreia, dor abdominal, náuseas e vômitos, entre outros. Em alguns casos, o paciente pode desenvolver também sintomas respiratórios e disfunção cardíaca. Além disso, há sempre uma marcante atividade anti-inflamatória do organismo.

Os primeiros casos da nova síndrome começaram a ser registrados na Europa em abril deste ano. Os relatos logo se multiplicaram, motivando a Organização Mundial da Saúde (OMS) a emitir um alerta para chamar a atenção de pediatras de todo o mundo.

Em 20 de maio, o ministério divulgou, em parceria com as sociedades brasileiras de Pediatria e de Reumatologia, um primeiro comunicado sobre o assunto. A pasta pedia atenção dos profissionais de saúde para que a síndrome fosse identificada rapidamente. Os sintomas, entretanto, podem ser confundidos com os de outras síndromes, como a de Kawasaki.

No dia 24 de julho, quando o país registrava 71 casos confirmados de covid-19 e três mortes, o ministério implantou um sistema de monitoramento nacional da síndrome por meio de formulário disponível no sistema oficial de comunicação da pasta.

Na semana passada, ao participar de uma reunião da Comissão Externa de Enfrentamento a Covid-19, do Senado, o diretor do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, do Ministério da Saúde, Antonio Rodrigues Braga Neto, destacou a necessidade de se “qualificar o atendimento às crianças”, esclarecendo que a notificação, apesar de importante, não é obrigatória.

“Ainda não temos a notificação compulsória. O que temos é uma recomendação”, disse Neto. “Entendemos que a notificação compulsória é uma ferramenta de interesse epidemiológico que facilitará a análise destes casos”, acrescentou o diretor, enfatizando que, mundialmente, ainda há muitas dúvidas sobre a síndrome.

“É uma doença nova, muito recente. O que temos que garantir é a capilaridade das informações. [Garantir] que uma criança que chegue à atenção primária com febre há três dias e algum dos outros sintomas, como náusea, cefaleia ou conjuntivite, e que apresente alterações laboratoriais tendo a sepse sido excluída seja encaminhada para uma atenção especializada.”

Durante a reunião, a coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, do Ministério da Saúde, Janini Ginani, ressaltou que a maioria das crianças e adolescentes acometidos pela síndrome é do sexo masculino, possui entre 0 e 9 anos e não tinha doenças crônicas pré-existentes.

“Os casos têm sido mais prevalentes na faixa etária até 10 anos de idade. Entre as crianças de 0 a 4 anos, 41 eram do sexo masculino e 34, do feminino. Já entre as de 5 a 9 anos, foram 39 e 26, respectivamente”, detalhou Janini.

“Temos visto uma dificuldade com relação à discriminação desses casos. O que, possivelmente, é uma sepse sendo notificada como uma Síndrome Inflamatória Multissistêmica. Estamos tentando separar essas causalidades; aprimorar a vigilância para entender como essa síndrome tem se desenvolvido no país, qualificando também a vigilância e [o registro] de óbitos.”
UTIs

Pesquisador do Instituto D'OR de Pesquisa e Ensino e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o pediatra Arnaldo Prata apresentou, durante a reunião, dados de um estudo feito com 79 crianças e adolescentes internados em 19 unidades de terapia intensiva (UTIs), públicas e privadas, de cinco estados (BA; CE; PA; RJ e SP).

Para ele, embora o número de casos da síndrome seja pequeno, é preciso estar alerta, já que 87% das crianças internadas em UTIs testaram positivo para covid-19. Destas, 13% apresentaram um quadro clínico associado à síndrome.

“Ou seja, entre crianças de 0 a 19 anos, a doença inflamatória multissistêmica pode acometer de 10% e 15% das que adoecem e que precisam ser internadas devido a covid-19”, enfatizou Prata.

UTIs

Pesquisador do Instituto D'OR de Pesquisa e Ensino e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o pediatra Arnaldo Prata apresentou, durante a reunião, dados de um estudo feito com 79 crianças e adolescentes internados em 19 unidades de terapia intensiva (UTIs), públicas e privadas, de cinco estados (BA; CE; PA; RJ e SP).

Para ele, embora o número de casos da síndrome seja pequeno, é preciso estar alerta, já que 87% das crianças internadas em UTIs testaram positivo para covid-19. Destas, 13% apresentaram um quadro clínico associado à síndrome.

“Ou seja, entre crianças de 0 a 19 anos, a doença inflamatória multissistêmica pode acometer de 10% e 15% das que adoecem e que precisam ser internadas devido a covid-19”, enfatizou Prata.